Sábado, 26 de Setembro de 2020
Telefone: (54) 3332-1699
Whatsapp: 54 9 9932 7709
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempo nublado
28°
13°
18°C
Não-Me-Toque/RS
Tempo nublado
Ao Vivo:
Agronegócios

Qualidade da semente é o limite da produtividade

08.03.2017 16h43  /  Postado por: upside

contato@afolhadosul.com.br
Helaine Gnoatto Zart  

Especialista em sementes enfatizou oito práticas que garantem boas produtividades

Especialista em sementes enfatizou oito práticas que garantem boas produtividades

Com um público estimado em 700 produtores, a E. Orlando Roos realizou dois dias de atividades na sua área experimental, junto à filial 1 da empresa, localizada no trevo de acesso norte da cidade de Não-Me-Toque. Foram três dias de campo num intervalo de 15 dias. No dia 15 de fevereiro o foco foi agroquímicos e manejo. Nos dias 1º e 2 de março, sementes e práticas de cultivo. O gestor de Sementes, Arlei Krüger, explicou que o objetivo de separar as atividades foi para otimizar o aproveitamento das informações, que são muitas.

Também, para melhor atender os produtores, que comparecem em grande número. Neste ano, teve produtor de diversos municípios do Rio Grande do Sul, inclusive da fronteira, e também do Paraná e Santa Catarina. O Professor da Faculdade de Agronomia da UFPel, Paulo Djalma Zimmer, com Doutorado em Sementes, abriu os dias de campos desta semana com a palestra que apresentou os “Oito Mandamentos da Semente”, que criou focando nos seus conhecimentos. A partir da frase “Nenhuma prática agrícola, como adubação, manejo, irrigação, etc., pode melhorar a produtividade além dos limites impostos pela semente” (James Delouche e Howard Potts), o professor
Djalma foi discorrendo seus mandamentos.

– É através da semente de alta qualidade, bem posicionada no solo, que definimos a distribuição das plantas na lavoura e esta distribuição (boa ou não), definirá a relação de cada indivíduo com o ambiente e com todos os insumos, é daí que saem as altas produtividades. Nada que comece mal terá maiores chances de terminar bem do que se tivesse começado bem – destacou para um público atento.

O especialista afirmou que não é mais possível apenas olhar para o talhão, para o ha, tampouco para o metro de linha de plantio. É preciso acertar as coisas para cada planta que está no campo e para isso toda a semente é importante:

– A semente deve ser de altíssima qualidade para ser bem distribuída e não falhar. A única forma de controlar o processo de construção de uma lavoura é fazer com que cada semente forme uma planta, no lugar certo. Assim vamos acumular plantas altamente produtivas por área e obter a maior resposta de cada planta com robustos programas nutricionais e de proteção. Djalma Zimmer também ressaltou a importância do tratamento industrial, como benefício que proteger melhor sementes de altíssima qualidade:

– Utilizar um bom tratamento de sementes é começar a safra com o pé direito. Esta prática proporciona uma série de benefícios, entre eles, correta disponibilidade de ingrediente ativo na semente, controle de qualidade, produtos compatíveis, formulação específica, seguro para a semente, ambiente e trabalhador. Adicionalmente, alguns inoculantes de última geração estão disponíveis apenas neste tipo de tratamento, comprovadamente aumentam a fixação de Nitrogênio e incrementam a produtividade em relação às cepas tradicionais.

Teoria vista na prática

Seguindo a observação das parcelas, os agricultores puderam comprovar grande parte das afirmações do especialista. Nas 37 diferentes cultivares, Brasmax, DonMario, Nidera, Monsoy, TMG, Brasmax e Roos mostraram como se comparta em campo a semente de qualidade. O termo arquitetura da planta foi um dos mais usados. Hastes eretas, porte médio e controle populacional para ingresso da luz solar contribuem para que a semente alcance seu potencial produtivo. O produtor Ercio Seiter, de Saldanha Marinho, confirmou a possibilidade de romper barreiras de produtividade: colheu 92 sacos por hectare da cultivar DM5958.

– Tenho uma área pequena. Plantei esta variedade em duas áreas, uma em 20 de outubro e colhi 74 sacos; outra em 5 de novembro, sobre a resteva do trigo, onde colhi 92 sacos por hectare – afirmou.

Ercio Seiter colheu 92 sacos por hectare da cultivar DM 5958 em 2016

Ercio Seiter colheu 92 sacos por hectare da cultivar DM 5958 em 2016

Ao final da excursão que iniciou com palestra e terminou com almoço, os agricultores constataram que cada vez ais as sementes são importantes por transportarem a carga de tecnologia disponível pelas empresas de pesquisa e desenvolvimento. A empresa Roos atua no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. Exporta para o Paraguai e Uruguai.

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.