Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2018
Telefone: (54) 3332-1699
Curta nossa página no Facebook:
30°
20°
29°C
Não-Me-Toque/RS
Pancadas isoladas
Destaques

Não-me-toquense exalta lição de cidadania na Operação Pantanal do Projeto Rondon

Não-me-toquense exalta lição de cidadania na Operação Pantanal do Projeto Rondon
07.08.2018 11h24  /  Postado por: upside

Ensinar, aprender e buscar experiência prática. Conhecer outras realidades do Brasil e ajudar as pessoas. É tudo que move um estudante universitário a participar do Projeto Rondon. Assim foi também para o não-me-toquense Mateus Viau dos Santos, acadêmico de Agronomia na UPF, que trocou 16 dias das férias de inverno para contribuir com comunidades do Mato Grosso do Sul, na Operação Pantanal – 6 a 22 de julho.

Alunos da UPF embarcam em Porto Alegre em avião da FAB e chegam em Campo Grande (MS). Professora Dra. Ana Maria Migott (D), foi homenageada pela participação em 19 operações.

A operação teve a participação de 252 estudantes e professores voluntários de várias instituições de ensino superior do país e contemplou 13 municípios.

Os acadêmicos e professores chegaram num avião da FAB e foram recepcionados no 20º Regimento de Cavalaria Blindado, visitaram a Base Aérea de Campo Grande, vivenciaram a cerimônia de abertura oficial da operação e uma alvorada festiva. Logo depois da foto oficial, partiram aos municípios para o início do trabalho com os agentes multiplicadores nas comunidades.

Durante dez dias úteis, os rondonistas promoveram atividades sobre os temas de comunicação, saúde, cultura, educação, meio ambiente, trabalho, tecnologia, produção e justiça. Os estudantes trabalharam, prioritariamente, com agentes multiplicadores, tais como funcionários das prefeituras, professores, agentes de saúde e lideranças locais, o que permitirá maior retenção e disseminação dos conhecimentos a serem transmitidos por eles.

O grupo em que Matheus participou – 8 rondonistas e dois professores – ficou sediando em Rio Verde no Mato Grosso, onde desenvolveram oficinas de múltiplas áreas, como meio ambiente, gastronomia, saúde, turismo, agricultura, todo o foco no incentivo à autonomia das pessoas: ensinar a pescar, não dar o peixe. Foram mais de 30 oficinas, uma delas foi ensinar a fazer clorador de água, no Assentamento Matadeira, pois a água que abastece as casas é de poço.

Matheus Viau dos Santos no Mirante do Pantanal, serra do Pindaivão

– O Rondon atende municípios com menos de 30 mil habitantes ou que tenham Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) abaixo de sete, e quem participa está disposto a conviver com realidades diferente e oferecer seu conhecimento para ajudar as pessoas – explica Matheus.

O acadêmico que aos 20 anos já participa de atividades voluntárias em sua cidade, através do Rotaract, conheceu o Projeto Rondon quando ingressou na universidade e teve que esperar até concluir o quinto semestre para se inscrever.

– Eu sempre gostei de ajudar e o Rondon me oportunizou uma grande lição de cidadania para toda a vida. Não tem como esquecer a vivência com comunidades carentes de conhecimento e iniciativa, que podem se transformar a partir do conhecimento que universitários levam até eles e isso também muda nossa concepção de profissionalismo – define o universitário.

No município onde ficou sediado o grupo de Matheus desenvolveu 30 oficinas

Para participar, Matheus se inscreveu no mês de fevereiro deste ano, na Universidade de Passo Fundo, disputando uma das oito vagas. A seleção dos acadêmicos inscritos ocorre por Comissão de Professores da Universidade mediante análise da situação acadêmica, de seu currículo vitae, bem como do desempenho na etapa de triagem psicológica, da proposta de atividade, de entrevista e de questionamentos sobre o manual do rondonista.

Podem se candidatar às vagas estudantes regularmente matriculados em vários cursos de graduação da UPF (Administração, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Engenharias, Arquitetura e Urbanismo, Ciências Biológicas, Direito, Agronomia, Medicina Veterinária, Jornalismo, Publicidade e Propaganda, Pedagogia e Nutrição).

O acompanhamento é da professora Dra. Ana Maria Bellani Migott que, no dia 21 de julho, recebeu um troféu como reconhecimento pela sua participação em 19 operações do Projeto Rondon. Ao longo de dez anos, a professora participou initerruptamente do projeto. A homenagem do Ministério da Defesa ocorreu durante a Operação Pantanal.

Ao retornar da operação, Matheus Viau dos Santos afirmou que foi uma lição de vida incrível e que não dá para voltar indiferente com a nova experiência.

– Tenho certeza que vou aproveitar a vivência do Projeto Rondon tanto na minha vida profissional como cidadão – concluiu.

Só é possível participar uma vez do Rondon como aluno. Para voltar é preciso ser professor ou militar das Forças Armadas.

Projeto Rondon

Desenvolvido pelo Ministério da Defesa, em parceria com governos estaduais, municipais e Instituições de Ensino Superior (IES) públicas e privadas, o Projeto Rondon contribui para a formação do jovem universitário como cidadão e para o desenvolvimento sustentável nas comunidades carentes.

Sua primeira operação, também chamada de Operação Piloto, realizada em julho de 1967. Funcionando até 1989, e retomado a partir de 2005, o Projeto beneficia os municípios previamente selecionados com o envio de professores e alunos universitários de diferentes áreas do conhecimento.

Poderosa ferramenta de transformação, tanto de universitários quanto das comunidades beneficiadas, o Projeto Rondon prioriza a formação de multiplicadores entre produtores, agentes públicos, professores e lideranças locais. Com isso, permite que as ações tenham efeitos duradouros, favorecendo no longo prazo a população, a economia, o meio ambiente e a administração locais.

O aprimoramento de valores humanitários dos rondonistas manifesta-se na intensificação do sentimento de responsabilidade social e coletiva, em prol da cidadania, de defesa dos interesses nacionais, contribuindo na sua formação acadêmica e proporcionando-lhe o conhecimento da realidade brasileira.

Em função de sua grande cobertura territorial, o apoio das Forças Armadas é indispensável, proporcionando o suporte logístico e a segurança necessários às operações.

Grupo retorna para sua cidade de origem com todo o aprendizado e transformação proporcionados pelo Projeto Rondon

 

Texto: Juny Hugen

Fotos: Thaís Joris e Gabriel Quintino

Conj. C.  Univali

Fonte: Coordenação-Geral do Projeto Rondon

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.