Quinta-feira, 28 de Maio de 2020
Telefone: (54) 3332-1699
Curta nossa página no Facebook:
Tempo limpo
17°
10°C
Não-Me-Toque/RS
Tempo limpo
Destaques

Negados recursos que pediam cassação do prefeito de Victor Graeff

Negados recursos que pediam cassação do prefeito de Victor Graeff
Sessão on line foi realizada no dia 30 de abril e sentenciou o recurso
04.05.2020 14h53  /  Postado por: helaine

Decisão ocorreu nesta quinta-feira (30), em sessão realizada por videoconferência. Ministro Alexandre de Moraes, alegou que as provas juntadas ao processo não evidenciavam proximidade entre o prefeito e do vice-prefeito e o secretário de Saúde para a prática de atividades ilícitas

Sessão on line foi realizada no dia 30 de abril e sentenciou o recurso

Por maioria de votos, o Plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou provimento a dois recursos que pediam a cassação do prefeito do município de Victor Graeff (RS), Cláudio Afonso Alflen, do vice-prefeito, Gilmar Francisco Appelt, e do vereador Guilherme Volmir Schneider. O julgamento foi concluído na quinta-feira (30/4), com o voto-vista da presidente da Corte, ministra Rosa Weber.

Nos recursos, o Ministério Público Eleitoral (MPE) e a coligação Unidos pela Renovação acusaram os três políticos de compra de votos durante a campanha nas Eleições Municipais de 2016. Conforme sustentaram, os então candidatos teriam oferecido benefícios a eleitores em troca de votos, por intermédio de um médico que ocupava o cargo de secretário de Saúde do município.

Em outubro de 2019, o relator do caso no TSE, ministro Jorge Mussi, votou no sentido de cassar os mandatos dos políticos e de determinar a realização de novas eleições para a Prefeitura da cidade, reformando decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul (TRE-RS) que havia anulado a cassação decidida pela primeira instância. Logo em seguida, a divergência foi aberta pelo ministro Alexandre de Moraes, que votou em sentido contrário, sob o argumento de que as provas juntadas ao processo não evidenciavam o envolvimento do prefeito e do vice-prefeito. “Não há nem indícios de que tinham proximidade [com o secretário de Saúde] para a prática de atividades ilícitas”, observou o ministro na ocasião.

O julgamento foi interrompido por um pedido de vista do ministro Og Fernandes, que, ao apresentar seu voto posteriormente, também divergiu do relator por argumentos diferentes. Para o magistrado, a solução seria o não conhecimento do recurso do Ministério Público e o não provimento da ação da coligação Unidos pela Renovação contra os acusados. Na avaliação de Og Fernandes, para chegar a uma conclusão diferente do TRE-RS, seria necessário o reexame de fatos e provas, o que não é possível nesta fase do processo.

A tese vencedora foi a do ministro Alexandre de Moraes, que foi seguida pelos ministros Tarcisio Vieira de Carvalho Neto e Sérgio Banhos, formando a maioria. O ministro Edson Fachin acompanhou o relator, e a ministra Rosa Weber acompanhou a solução apontada pelo ministro Og pelo não conhecimento.

Em seu voto-vista apresentado na manhã de hoje (30), a presidente da Corte destacou jurisprudência do TSE sobre o artigo 41-A da Lei das Eleições (Lei nº 9.504/97), segundo o qual “a condenação por compra de votos exige a demonstração da participação ou anuência do candidato, que não pode ser presumida“. O mesmo entendimento foi aplicado em relação à aplicação de multa, que exige prova robusta de participação ou anuência do candidato beneficiado.

CM/JB, DM

Processo relacionado: Respe 26407

Fonte: Tribunal Superior Eleitoral

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.