Sexta-feira, 25 de Setembro de 2020
Telefone: (54) 3332-1699
Whatsapp: 54 9 9932 7709
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempo nublado
28°
13°
25°C
Não-Me-Toque/RS
Tempo nublado
Ao Vivo:
Economia e Negócios

Reforma vai onerar ainda mais o bolso do cidadão

Reforma vai onerar ainda mais o bolso do cidadão
21.08.2020 11h07  /  Postado por: A Folha

Na opinião do deputado Edson Brum, a proposta de reforma tributária do governo estadual é uma afronta à população gaúcha. Afinal, ao contrário do que tentam nos fazer acreditar, ela não é sinônimo de pagar menos impostos. E, se aprovada, trará consequências permanentes e onerosas ao bolso de cada cidadão, especialmente os menos assistidos.

– Em primeiro lugar, é preciso esclarecer que não precisamos votar o Projeto de Lei para termos redução de alíquotas de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Automaticamente, no dia 31 de dezembro deste ano, os valores para telecomunicações, combustíveis e energia elétrica passarão de 30% para 25%, e a taxação básica reduzirá de 18% para 17%. Ou seja, não precisamos fazer absolutamente nada para isso ocorrer. Está garantida pela legislação.

Brum também ressalta que o agronegócio será o mais prejudicado.

– O resultado previsto é tão catastrófico que 14 entidades representativas do segmento assinaram uma carta aberta contra a aprovação do Projeto de Lei – afirma.

Já no primeiro ano, o acréscimo nos valores dos insumos causará um aumento de mais de R$ 1 bilhão nos custos da produção agropecuária, sem contar a tributação de 12% sobre os alimentos da cesta básica que antes eram isentos ou tinham taxação mínima. Para um produtor de soja, por exemplo, esse impacto no custo equivale a 18% de sua renda, e no de arroz, cerca de 27%. No caso dos hortifrutigranjeiros, o percentual pode ser ainda maior.

O setor sofrerá também com o Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens e Direitos (ITCD), que passa a contar com a adoção de faixas de alíquotas progressivas para causa mortis de 7% e 8%, o dobro do que hoje é aplicado. Soma-se, por fim, o aumento do teto de isenção do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) para veículos fabricados há mais de 40 anos, diante dos atuais 20 anos, além do aumento da alíquota de tributação de 3% para 3,5% para automóveis e camionetas.

– O que se percebe não é uma reforma tributária, mas sim uma proposta de compensação fiscal que visa lucros e que pesa mais no bolso da população de menor renda. Ora, desde que assumiu o cargo o governador Eduardo Leite sabia que a majoração do ICMS tinha prazo limitado – e que, inclusive, foi ampliado a pedido dele.

Para o deputado, é fato que uma reforma tributária se faz necessária, mas não da forma como esta proposta foi construída. Além disso, é essencial que se dê preferência à reforma administrativa que havia sido iniciada no governo Sartori. É preciso reduzir custos e não onerar ainda mais o bolso do cidadão.

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.