Terça-feira, 15 de Junho de 2021
Telefone: (54) 3332-1699
Whatsapp: 054 9 9715-2658
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempo nublado
18°
10°
18°C
Não-Me-Toque/RS
Tempo nublado
Ao Vivo:
Agronegócios

Cotrijal Perspectivas 2021: um horizonte de otimismo

Cotrijal Perspectivas 2021: um horizonte de otimismo
Davi Augusto: amor às atividades da propriedade desde a infância.
28.01.2021 14h50  /  Postado por: A Folha
Por  Assessoria de Imprensa e Marketing da Cotrijal

O ano de 2021 inicia cheio de expectativas positivas. O desejo de que a vida “volte ao normal” é coletivo. Independente do que vai acontecer, uma coisa é certa: acompanhar o que está acontecendo no mundo e fazer o melhor planejamento dentro da porteira tornou-se essencial para quem produz alimentos.

As doces lembranças da infância entre lavouras e rebanhos geralmente caminham junto com adultos que decidiram dar sequência a um ofício que ultrapassa gerações. Seja por intermédio dos pais, seja pela influência de avós ou tios, não raro, a paixão pela lida no campo vem de berço.

Andrea e Inelson: bem planejados para o novo ano.

O casal Inelson Enir Fioreze e Andrea Scheffler Ruppenthal, que trabalham com pecuária de leite em Vista Alegre, no interior de Colorado, procuram transmitir ao pequeno Davi Augusto Ruppenthal Fioreze, de 2 anos, o afeto pela missão de proporcionar alimentos a uma crescente população. Ao acompanhar as atividades desenvolvidas na propriedade, a expectativa é de que Davi, quem sabe, possa dar sequência à ocupação exercida pelos pais.

Trabalho que, cada vez mais, será demandado mundo afora. Isso porque, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), ao final da década de 2050, a população mundial variará entre 9,3 e 10,6 bilhões de pessoas.

Vai ser preciso unir esforços e tecnologia para dar conta da produção de alimento suficiente. São ainda cerca de 30 anos até a confirmação de tais projeções, mas, o inegável, é que algumas mudanças já começaram, inclusive, impulsionadas pelo momento atípico desencadeado pela pandemia da COVID-19.

E O QUE ESPERAR DE 2021?

Talvez a resposta dessa pergunta seja o grande desejo de muitos. Ainda mais depois de um desafiador 2020. “A produtividade, por enquanto, está muito incerta. O valor da soja está ótimo para quem está comercializando, mas, também, temos que considerar que os preços dos insumos aumentaram. É uma grande incógnita”, comenta o produtor rural Rafael Dalmina, que cultiva grãos, em família, em cerca de 950 hectares na região de Água Santa.

Rafael Dalmina: com a Cotrijal para avançar.

Associado da Cotrijal desde que a cooperativa instalou unidades na região, há cerca de 5 anos, o produtor afirma que um dos anseios é continuar modernizando o maquinário, com o objetivo de aperfeiçoar a relação custo-benefício. A tecnologia é uma grande aliada: “Estamos tentando trabalhar com GPS e implementar mais plantadeiras com taxa variável. Também trabalhamos com a agricultura de precisão em parceria com a cooperativa. O desejo é sempre melhorar”, conta.

Para Anderson Galvão, diretor da Céleres Consultoria, o cenário de precificação da soja e do milho continuará bastante positivo, o que acaba exigindo um bom planejamento produtivo por parte do produtor rural, a fim de aumentar a produtividade. Além disso, também há a expectativa de aumento nas demandas de grãos vindas da China. “Os agricultores devem aproveitar essas oportunidades,” complementa.

LEITE: O MELHOR TRABALHO DENTRO DA PORTEIRA

As dúvidas que pairam sobre a produção de grãos também se refletem na pecuária de leite. “Em termos de consumo final, temos uma enorme incerteza em função da provável retirada do auxílio emergencial (que ajudou na sustentação da demanda em 2020) e da recuperação econômica do país, que depende de vários fatores e, inclusive, de uma solução mais definitiva para o tema da COVID-19”, explica Valter Galan, sócio do MilkPoint Mercado.

Com relação à produção, ele pontua que poderão existir maiores dificuldades no Sul, em função da seca de 2020 e das dificuldades em produção de alimento (silagem de milho) em boa quantidade. “Por outro lado, os preços do leite terminaram o ano de 2020 em patamares elevados, o que pode estimular a produção gaúcha e em outras bacias, como a de Minas Gerais e de Goiás” analisa.

Confira a entrevista com Valter Galan, que foi ao ar durante o programa O Encontro de Domingo

JORNAL DA COTRIJAL – Quer ter acesso à reportagem completa? Acesse a edição de janeiro do Jornal da Cotrijal.

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.