Sexta-feira, 07 de Maio de 2021
Telefone: (54) 3332-1699
Whatsapp: 054 9 9715-2658
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempo limpo
17°
11°C
Não-Me-Toque/RS
Tempo limpo
Ao Vivo:
Comportamento

O sentimento de quem venceu a luta contra o vírus e viveu a internação na Ala Covid-19

O sentimento de quem venceu a luta contra o vírus e viveu a internação na Ala Covid-19
Daniel Elwanger, juntamente com a equipe do hospital Beneficência Alto Jacuí, deixando a Ala Covid-19
26.03.2021 09h49  /  Postado por: A Folha
Por Roger Amaral

Gigantes. Sim, vencedores. Podemos atribuir inúmeros adjetivos para aqueles que venceram a batalha contra o vírus da Covid-19 e aos profissionais tão dedicados em atender as pessoas com a enfermidade. Ao todo, 1.837 pacientes de Não-Me-Toque que contraíram a doença já se recuperaram.

Entre os recuperados com sucesso está o coordenador de T.I. Daniel Elwanger, que ficou internado durante seis dias na Ala Covid-19 do Hospital Beneficência Alto Jacuí.

— No dia 1° de março, senti dores no pescoço e coceira na garganta. No dia 3, como tive contato com dois casos confirmados, fizemos o teste particular, e foi confirmado. Fui até a Unidade Sentinela da Martini e ficou agendado a consulta. Logo depois que saí, o pessoal da vigilância entrou em contato comigo para verificar como eu estava e me repassou algumas informações referente à Covid e ao isolamento — relata Daniel.

Com o passar dos dias, os sintomas foram se evidenciando cada vez mais, chegando a febre alta, dor no corpo, dor de garganta, tosse, calafrios e a temida falta de ar e perda de paladar, consequência esta que até mesmo o impedia de se alimentar devidamente.

Daniel, assim como tantos outros, foi internado devido ao agravamento das consequências da doença, que também afetou o pulmão.

— Muitos não acreditam no perigo da doença.  Mesmo em isolamento, saem na rua. E não respeitam os profissionais que estão trabalhando, tanto no Hospital quanto na Sentinela. Uma das coisas que me marcaram foi a falta de respeito de algumas pessoas, principalmente perto do Hospital e à noite. Barulho de som, roncos de motor e descarga de moto. Às vezes parecia que estavam batendo pega lá na frente.

Um lado positivo, confirma, foi muito bem atendido pelos profissionais.

— A equipe do Hospital foi muito atenciosa e muito dedicada para atender a todos. A melhor coisa que temos: os excelentes profissionais na área da saúde aqui do município. Tanto da parte da Prefeitura como do Hospital.

Quando foi internado, Daniel estava muito debilitado. Nervoso ao ponto de não conseguir falar e, também, por estar com a saturação baixa. Se a pandemia fosse uma guerra, Daniel, seria um soldado lutando para sobreviver.

— Primeiro estava com muito medo. Pois não sabia o que poderia acontecer. Mas tenho muita força de vontade e me lembrei da minha família e de todos que estavam torcendo pela minha recuperação. O pessoal me acalmou e já me colocou no oxigênio.

Como paciente, ele relata ter acompanhado muitos momentos de alegria como de tristeza. Dentro da ala, os próprios pacientes motivavam uns aos outros. Alguns ganhando alta, mas, infelizmente, também presenciava a tristeza da equipe pelos óbitos registrados. Um misto de fortes emoções.

Passados os dias de internação, no sábado, dia 20 de março, Daniel, recebeu alta hospitalar, superou a doença.

Toda sua família foi testada e posta em isolamento. Ninguém mais positivou, principalmente por seguir o isolamento social.

Para finalizar, podemos concluir que devemos cuidar de nós mesmos e de quem amamos.

— Pensamento positivo sempre, e ter muita fé que tudo vai melhorar!

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.