Sábado, 19 de Junho de 2021
Telefone: (54) 3332-1699
Whatsapp: 054 9 9715-2658
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempo nublado
11°
11°C
Não-Me-Toque/RS
Tempo nublado
Ao Vivo:
Destaques

Rio Grande do Sul tem a segunda maior queda de consumo das classes C e D entre os estados brasileiros

Rio Grande do Sul tem a segunda maior queda de consumo das classes C e D entre os estados brasileiros
31.05.2021 14h29  /  Postado por: A Folha

O consumo das classes C e D do Brasil recuou 5% em abril, depois de já ter caído em março (-4%) e fevereiro (-28%), de acordo com a Pesquisa de Hábitos de Consumo das Classes C e D da Superdigital, fintech do Santander. O levantamento é realizado mensalmente e busca traçar o perfil do consumidor dessas classes sociais.

No Rio Grande do Sul a pesquisa apontou que os gastos recuaram 13% em abril ante março, um salto negativo significativo, já que em março a queda foi de 4%. O Estado ficou atrás apenas do Rio de Janeiro que teve uma queda de 26%. Drogaria e Farmácia fechou o mês com queda de 11%, seguido por Diversão e Entretenimento (-10%) e Combustível (-10%). Contudo, o destaque foi a recuperação nos gastos com Companhias Aéreas, com crescimento de 153%, contra uma queda de 39% em março. Hotéis e Motéis também subiram 28%, apontando que os gaúchos voltaram a viajar.

Entre as cinco regiões, o Sudeste apresentou queda mensal de 7%, seguido pelo Sul (-6%), Nordeste (-4%), Norte (-2%) e Centro-oeste (-1%).

Segundo Luciana Godoy, CEO da Superdigital no Brasil, a pesquisa mostra que ainda falta confiança no consumidor para voltar a comprar com tranquilidade como aconteceu no final do ano passado. “Vimos em outubro, novembro e dezembro uma boa recuperação do consumo nas Classes C e D, depois de um 2020 muito difícil. Mas, com o avanço da Covid-19 e as suas consequências na economia, principalmente em março e abril, muitas famílias ainda estão inseguras para voltar às compras”, diz a executiva.  O índice de confiança do consumidor, medido pela FGV em abril estava em 72,5 pontos, melhor que em março, mas muito abaixo dos 91,7 pontos medidos em dezembro de 2020.

Em termos setoriais, as maiores quedas registradas em abril na comparação com março foram em Rede Online (-14%), Companhias Aéreas (-7%), Diversão e Entretenimento (-6%) e Combustível (-4%). Enquanto isso, cresceram os gastos com Lojas de Roupas (10%), Prestadores de Serviços (9%) e Lojas de Artigos Diversos (4%).

“Com os dados de abril, podemos perceber que os gastos com restaurantes pararam de cair, devido à reabertura do comércio. Nossa expectativa é de que a confiança para consumir volte aos poucos, conforme a vacinação alcance um número maior de pessoas e, em decorrência disso, a economia demonstre uma recuperação mais robusta”, explica a executiva.

Recortes regionais

Rio Grande do Sul

A pesquisa apontou que os gastos recuaram 13% em abril ante março, um salto negativo significativo, já que em março a queda foi de 4%. Drogaria e Farmácia fechou o mês com queda de 11%, seguido por Diversão e Entretenimento (-10%) e Combustível (-10%). Contudo, o destaque foi a recuperação nos gastos com Companhias Aéreas, com crescimento de 153%, contra uma queda de 39% em março. Hotéis e Motéis também subiram 28%, apontando que os gaúchos voltaram a viajar.

Paraná

A pesquisa apontou recuo mensal de 3% e, assim como no Rio Grande do Sul, vale destacar o crescimento nos gastos com Companhias Aéreas (50%), depois de um recuo de 14% em março. Além disso, houve crescimento nas categorias Veículos e Automóveis (17%), Telecomunicações (12%) e Lojas de Roupas (10%). As quedas mais significativas foram nos gastos com Rede Online (-26%), Serviços (-19%), Hotéis e Motéis (-9%) e Diversão e Entretenimento (-7%).

Espírito Santo

No Espírito Santo, o consumo mensal caiu 7%, contra uma queda em março de 2%. A pesquisa aponta que as categorias mais prejudicadas foram Companhia Aéreas (-11%), Prestadores de Serviços (-10%), Telecomunicações (-9%) e Combustível (-8%). Houve grande avanço nos gastos com Hotéis e Motéis (101%%), Serviços (25%) e Transporte (24%).

Rio de Janeiro

Os cariocas também gastaram menos em abril. O índice recuou 26% sobre março, mês que havia registrado queda de 14%. Os setores que mais se destacaram foram Rede Online (-26%), Diversão e Entretenimento (-13%) Hotéis e Motéis (-13%) e Telecomunicações (-11%). Houve aumento nos gastos em Serviços (8%) e Prestadores de Serviços (7%).

São Paulo

Em São Paulo, a pesquisa mostrou que o consumo teve queda mensal de 3%, mantendo o mesmo índice de março sobre fevereiro. As maiores quedas foram registradas nos setores Companhias Aéreas (-21%), Rede Online (-14%), Automóveis e Veículos (-10%) e Hotéis e Motéis (-6%), apontando que o paulista gastou menos com viagens em abril. Contudo, houve avanço nos gastos com Prestadores de Serviços (12%), Lojas de Roupas (9%) e Lojas de Artigos Diversos (5%).

Minas Gerais

Em Minas Gerais, o levantamento apontou que o consumo cresceu 5% em abril, recuperando em partes da queda de 6% em março. Os setores nos quais os gastos mais cresceram foram Hotéis e Motéis (37%), Prestadores de Serviços (33%) e Drogaria e Farmácia (11%). Já os setores em que as quedas se destacaram foram Companhias Aéreas (-13%), Serviços (-5%) e Diversão e Entretenimento (-5%).

Pernambuco

Em Pernambuco, os dados revelaram que o consumo recuou 9% em abril. Em março as compras estavam estagnadas com apenas 0,1% de queda. As categorias que recuaram em abril foram Rede Online (-42%), Diversão e Entretenimento (-31%), Automóveis e Veículos (-31%) e Combustível (-29%). Contudo, houve crescimento dos gastos com Companhias Aéreas (19%), Lojas de Roupas (11%) e Prestadores de Serviços (6%).

Ceará

No Ceará, a pesquisa aponta que o consumo mensal cresceu 3%, depois de uma queda de 1% em março. As categorias que mais cresceram foram Companhias Aéreas (32%), Lojas de Roupas (32%) e Hotéis e Motéis (28%). Na outra ponta, caíram os gastos com Diversão e Entretenimento (-33%), Rede Online (-16%) e Drogaria e Farmácia (-6%).

Bahia

Na Bahia, a pesquisa mostrou que o consumo em abril caiu 1%, sendo que em março, o recuo havia sido de 10%. As categorias que se destacaram foram Serviços (-31%), Rede Online (-23%) e Diversão e Entretenimento (-17%). Na outra ponta, subiram os gastos com Hotéis e Motéis (53%), Lojas de Roupas (23%) e Restaurantes (10%).

Para acessar os dados completos da pesquisa e gráficos, clique aqui

Sobre a Superdigital

A Superdigital (www.superdigital.com.br) é uma das fintechs do Banco Santander com atuação global. Possui mais de 1,7 milhão de clientes e processa mais de 70 milhões de transações por ano. O propósito da empresa é democratizar os serviços bancários: em apenas cinco minutos, qualquer pessoa pode abrir uma conta e gerenciar sua vida financeira sem burocracias, pelo celular.

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.