Terça-feira, 15 de Junho de 2021
Telefone: (54) 3332-1699
Whatsapp: 054 9 9715-2658
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempo nublado
18°
10°
18°C
Não-Me-Toque/RS
Tempo nublado
Ao Vivo:
Destaques

Família de médico detido por assédio no Egito faz pedido de desculpas nas redes sociais

Publicação, assinada por seis pessoas, foi escrita em árabe e em inglês.
Família de médico detido por assédio no Egito faz pedido de desculpas nas redes sociais
Autoridades do país decidiram prorrogar a prisão de Victor Sorrentino até o dia 17. Foto: Reprodução/Redes Sociais.
03.06.2021 12h49  /  Postado por: A Folha
Por Aristoteles Junior/Rádio Guaíba

A família de Victor Sorrentino, que está detido desde o último domingo, no Egito, publicou um pedido de desculpas formal à vendedora que o acusa de assédio. A nota, redigida em árabe e em inglês, apareceu nas redes sociais do médico – que acumula quase um milhão de seguidores – na manhã desta quinta-feira (3).

O texto é assinado por seis pessoas próximas a Victor: os pais, Migel e Maria Cristina; os irmãos Guilherme, Patrícia e Daniela; e a esposa, Kamila. “A todo o querido povo egípcio e a todos os funcionários do Estado, nossos mais sinceros sentimentos e empenho na reparação de todos os danos materiais e morais”, diz a nota.

Sorrentino ficará detido, pelo menos, até o próximo dia 17 – data em que está marcada uma nova audiência na Justiça. Ele foi preso no aeroporto do Cairo após a repercussão de um vídeo, no qual se dirige à funcionária de uma loja com palavras de conotação sexual. “Vocês gostam mesmo é do bem duro, né? Comprido também fica legal, né?”, dizia.

Sem entender, a mulher reage com um sorriso e acena com a cabeça. Alvo de críticas, o médico – que atende em um consultório de Porto Alegre e também atua como palestrante – voltou ao local, onde gravou um novo vídeo. Ele diz que costuma fazer esse tipo de “brincadeira” com amigos e familiares.

As gravações aconteceram em 24 de maio, na cidade de Gizé. A pena para o assédio no Egito varia de 6 meses e 3 anos de prisão. Uma multa, de até 5 mil libras, também deve ser paga, caso o acusado seja considerado culpado. O processo é acompanhado pelas autoridades brasileiras.

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.