Sexta-feira, 23 de Julho de 2021
Telefone: (54) 3332-1699
Whatsapp: 054 9 9715-2658
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempo limpo
23°
11°
23°C
Não-Me-Toque/RS
Tempo limpo
Ao Vivo:
Agronegócios

Operação 365 Cotrijal: ação para um olhar permanente ao solo

Operação 365 Cotrijal: ação para um olhar permanente ao solo
A ação foi realizada em Não-Me-Toque (Foto: Divulgação/Cotrijal).
20.07.2021 10h51  /  Postado por: A Folha
Por Assessoria de Imprensa e Marketing da Cotrijal

A qualidade do solo é fundamental para que as sementes de alto potencial produtivo hoje disponíveis no mercado possam expressar os melhores resultados a campo. Um dos marcos na busca por terras mais férteis foi a Operação Tatu, deflagrada na década de 1960, que visava basicamente corrigir a acidez dos solos.

A abertura de trincheiras fez parte da atividade.

Desde então, a pesquisa avançou muito e cooperativas como a Cotrijal têm dedicado especial atenção ao assunto, buscando respostas e soluções, como o investimento na agricultura de precisão, que têm contribuído para alavancar a produtividade das culturas. Esse trabalho foi fundamental para fazer a soja render dez sacas a mais por hectare na região de atuação da cooperativa em relação à média do Rio Grande do Sul nos últimos anos.

Com o pensamento de estender em nível de Estado os avanços até então obtidos de forma mais regionalizada e fazer um acompanhamento anual das condições do solo, apontar manejos e dar o suporte ao produtor, a Cotrijal, a Embrapa Trigo, a Universidade de Passo Fundo e a Rede Técnica Cooperativa (RTC) – através de seus pesquisadores e cooperativas ligadas à CCGL – lançam a Operação 365. A primeira ação aconteceu na propriedade do produtor Giordano Schiochet, em Não-Me-Toque, na quarta-feira, 14/7.

Durante todo o dia, profissionais técnicos de cooperativas gaúchas e pesquisadores da Embrapa Trigo e da RTC abriram várias trincheiras no talhão selecionado para o projeto-piloto e avaliaram as condições do solo. Além da análise visual, serão feitas também avaliações em laboratório. O objetivo é identificar níveis de fertilidade, capacidade de infiltração de água, grau de compactação, dentre outros atributos.

Os profissionais técnicos conferiram a situação do solo.

“O programa nasceu para auxiliar o produtor a conhecer melhor, investir de maneira assertiva e conservar o seu solo visando a sustentabilidade do sistema de produção”, explica o gerente de Produção Vegetal da Cotrijal, Alexandre Doneda.

Giordano Schiochet é um dos associados da Cotrijal que têm entendido a necessidade de um olhar mais cuidadoso para o solo o ano todo. “É um olhar necessário, para que possamos manter a nossa propriedade em condições de seguir produzindo por muito tempo”, comenta.

FOCO NA SUSTENTABILIDADE 

Um dos focos do programa é o estímulo à agricultura sustentável, para manter o sistema de plantio direto e viabilizar o ingresso no mercado de créditos de carbono. “A iniciativa valorizará os produtores que conduzem seus trabalhos de forma sustentável, beneficiará o meio ambiente e ainda possibilitará o acesso a recursos financeiros”, avalia o gerente de pesquisa da CCGL-RTC, Geomar Corassa.

Nesse primeiro módulo, serão realizadas mais duas visitas a propriedades do Rio Grande Sul. Ainda nesse mês de julho, acontecerão ações técnicas nos municípios de Júlio de Castilhos e Sarandi.

Cada produtor participante do programa receberá uma classificação, referente à qualidade do solo de sua propriedade. “O cartão ‘black’ será para aquele que apresentar a melhor condição do solo, seja em fertilidade, infiltração, compactação e manejo. Assim, vamos dar condições ao produtor para que ele possa trabalhar em um solo saudável e ainda obter preferência em linhas de crédito”, explica Giovani Stefani Faé, chefe de transferência de tecnologia da Embrapa Trigo.

A COTRIJAL

Fundada em 1957 em Não-Me-Toque (RS), a Cotrijal é a maior cooperativa agropecuária do Rio Grande do Sul, com 55 unidades em 32 municípios. Em 2020, registrou faturamento recorde de R$ 2,4 bilhões – ficando na 58ª colocação entre as 100 maiores empresas do agronegócio brasileiro, segundo a revista Forbes. A cooperativa, em 2005, passou a integrar o Projeto Aquarius. Em 2007, criou o Programa Ciclus, com suporte ao produtor tanto na adoção de tecnologias de precisão quanto na interpretação dos dados e definição de estratégias para melhoria da qualidade do solo.

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.