Quinta-feira, 28 de Outubro de 2021
Telefone: (54) 3332-1699
Whatsapp: 054 9 9715-2658
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempo limpo
27°
14°
14°C
Não-Me-Toque/RS
Tempo limpo
Ao Vivo:
Turismo

Bebidas e destinos etílicos pelo Brasil e no mundo: “Vinhos ingleses, uma visão abrangente”

Bebidas e destinos etílicos pelo Brasil e no mundo: “Vinhos ingleses, uma visão abrangente”
24.08.2021 16h29  /  Postado por: A Folha

Olá, caríssimos leitores. Voltamos ao velho mundo. Se você está curioso a respeito dos vinhos ingleses, nosso artigo vai ajudá-lo a conhecer as principais regiões emergentes, as variedades de uvas e os estilos que estão colocando a Inglaterra no mapa. Quem gosta do estilo de Champagne, anote: o espumante inglês tem mais em comum com o terroir daquela região francesa do que você poderia imaginar. Apesar de ainda produzir vinhos tranquilos, são os espumantes feitos pelo método tradicional que ganham a atenção das pessoas, representando a maioria da produção inglesa (mais de 65% dos vinhos produzidos).

A maioria das pessoas imagina os ingleses bebendo, e não produzindo, vinhos. E provavelmente, se o assunto é vinho de qualidade, a Inglaterra não é o primeiro país a vir à mente. Embora seja o sexto maior consumidor mundial, a pequena produção vinícola inglesa sempre foi considerada secundária.

Na última década, porém, isso mudou muito. Hoje, a Inglaterra é uma força notável no mundo vinícola, com espumantes de classe internacional, recebendo prêmios e, pela primeira vez, derrotando importantes maisons de Champagne em competições e merecendo o reconhecimento de apreciadores do mundo todo. Depois de muito estudo e pesquisa, os britânicos descobriram as melhores técnicas e oportunidades para plantar uvas em seu território – leia-se Inglaterra e também País de Gales. O resultado são mais de 400 vinícolas, espalhadas por diversas regiões, que produzem os mais diversos e já premiados vinhos.

O forte do vinho inglês são os brancos, com uvas como Baccus, Riesling, Pinot gris, Pinot blanc e Chardonnay. Mas também já começam a fazer sucesso os rosés e os tintos. A prova disso é a English Wine Week, que acontece esse ano de 25 de maio a 2 de junho, e movimenta diversas vinícolas de todo o país com eventos, degustações, tours e outras novidades. Para os apreciadores, é o melhor momento para desbravar o vinho inglês!

O sul da Inglaterra, particularmente Kent, Sussex e Hampshire, já está consagrado como a mais famosa região do vinho inglês. Mas grandes vinhos também já são produzidos hoje em East Anglia, Dorset e lugares mais a sudoeste, como Gloucestershire, Herefordshire e Worcestershire, Staffordshire, até o norte de Yorkshire.

Bom amigos leitores, abaixo temos o mapa das regiões produtoras, sendo consagrada e realçada a região Sul da Inglaterra como a base produtora de vinhos do pais.

Regiões Viníferas Inglesas

Vinhedos: 3500 hectares (2019)

Vinícolas: 400 (2019)

Primeira vinícola: Hambledon Vineyard em Hampshire, fundada em 1951

Produção: 84% Espumantes e Vinhos Brancos, 16% Tintos

Não é segredo que chove muito na Inglaterra. No sul, onde a maior parte da viticultura está instalada, o clima é um pouco mais cálido e seco.

Com a ajuda do aquecimento global, as temperaturas médias anuais estão subindo e os problemas com o amadurecimento das uvas, que há muito prejudicam os produtores ingleses, pode ser uma questão do passado dentro em breve.

Por enquanto, as melhores regiões de viticultura espalham-se por uma faixa ao sul da costa que vai da Cornualha até Kent, com semelhanças de clima e de solo, exibindo diversas variedades de uvas adequadas a climas frios.

As três regiões principais são: Sussex, Kent e Surrey.

SUSSEX

Castelo de Bodian em Sussex

Sussex fica na extremidade sudeste da Inglaterra, junto ao Canal da Mancha. Como uma das regiões mais ensolaradas das Ilhas Britânicas, recebe menos chuvas do que qualquer outra região viticultora de lá.

Isso não significa que a chuva não cause problemas naquele período crucial em que as videiras começam a florescer, e, como ocorre em todas as regiões produtoras da Inglaterra, as geadas e a podridão sempre são fatores de preocupação.

A região geográfica de Sussex compreende dois condados distintos, West Sussex e East Sussex, ambos com um número crescente de vinícolas.

A região de Downs com diversos afloramentos de calcário caracterizam a paisagem não apenas de Sussex, como definem as regiões a oeste, norte e leste.

Solos calcários dominam Sussex e contribuem para a vocação de produção de uvas de qualidade para espumantes nessa região. Sendo lá que se encontram os mesmos solos de Champagne.

Outra característica que Sussex compartilha com seu vizinho gaulês é o clima frio, que ajuda a preservar a acidez necessária para a produção de espumantes de alto nível. Sussex está acima do paralelo 50, no extremo superior da faixa de 30º a 50º de latitude geralmente considerada adequada para a produção de vinhos.

Os vinhedos da região incluem a Bacchus e as uvas clássicas de Champagne, Chardonnay, Pinot Noir e Pinot Meunier, todas adequadas a climas mais frios.

A Bacchus, uma uva branca aromática, é um cruzamento entre a Sylvaner, a Riesling e a Müller-Thurgau, desenvolvida na Alemanha na década de 1930.

Os vinhos de Sussex incluem descritores como giz, pedra de isqueiro e forte caráter mineral, refletindo os solos nos quais as uvas são cultivadas.

Sussex é a primeira região com status DPO (Denomination of Protected Origin) na Inglaterra.

KENT

As encostas brancas de Dover, em Kent

Situada a leste de Sussex, diante de Calais. Os icônicos White Cliffs de Dover aparecem no litoral de Kent, há muito uma abundante fonte de produtos agrícolas e de pomares ingleses. Como Sussex, com um clima levemente mais cálido (em comparação com o resto da Inglaterra), é um lugar viável para agricultura.

Os melhores vinhedos estão voltados para o sul para maximizar as horas de sol sobre as videiras, e Kent tem o mesmo solo calcário de seus vizinhos.

Hoje, Chardonnay, Pinot Noir, Bacchus e Ortega representam muitas das videiras de Kent, que substituiu cruzamentos alemães como Reichensteiner e Huxelrebe, plantadas intensamente na década de 1970.

Seus vinhos têm acentuado caráter mineral, além de maçãs, peras e flor de sabugueiro, com acidez viva e refrescante.

No final de 2015, a Taittinger, tradicional maison de Champagne, anunciou a compra de terras em Kent, nas quais pretende plantar Chardonnay, Pinot Noir e Pinot Meunier. A Taittinger é a primeira produtora de Champagne a participar da florescente produção de espumantes na Inglaterra, investindo na crescente indústria vinícola do país.

SURREY

Surrey também tem solo calcário formado pelos restos de antigos fósseis marinhos. É lá que foi feito o segundo investimento de uma maison de Champagne na Inglaterra: a Pommery e a Hattingley Valley formaram parceria.

Surrey também é a sede dos maiores produtores da Inglaterra, Denbie’s Estate, que tem o maior vinhedo de Blighty, o Denbies Vineyard.

Outras regiões a se acompanhar

Hampshire

A oeste de Sussex, temos Hampshire, conhecida por seus resorts de veraneio e berço da primeira vinícola comercial moderna da Inglaterra.

A Hambledon Vineyard foi fundada em 1951 pelo major-general Sir Guy Salisbury-Jones, francófilo que acreditava no potencial de Hampshire, sua terra natal, para produzir uvas dignas de serem transformadas em vinhos. A Seyval Blanc era sua variedade preferida, embora tenha sido substituída depois pelas variedades de Champagne.

East Anglia

A norte e a leste de Londres, ficam os condados de Norfolk e Suffolk, que, juntos, formam East Anglia. Aí, os solos são mais densos, com bastante argila. A Bacchus é a principal uva da região, mas os produtores mais recentes estão fazendo experiências com Pinot Noir e Chardonnay. Os cruzamentos alemães, como Reichensteiner, Schonburger e Huxelrebe, além da híbrida Rondo, são cultivados com sucesso nessa região.

Pequena História dos Vinhos Ingleses

Os vinhedos chegaram na Inglaterra graças aos romanos, que levaram consigo a viticultura para todos os países que iam conquistar. O acesso ao vinho era um direito de cidadãos e de escravos, e os romanos plantavam videiras para garantir que teriam vinhos onde quer que fossem.

Após a queda do império, os mosteiros cristãos mantinham vinhedos para os sacramentos e peregrinos, bem como para uso pessoal. Um período mais quente da Idade Média ajudou as uvas a amadurecerem de maneira consistente. A produção vinícola ficou relativamente estável até a Peste, que chegou na Inglaterra por volta de 1348 e dizimou um terço da população.

Como sempre, a história explica muito…

Em 1152, Eleanor, Duquesa de Aquitânia, casou-se com Henry Plantagenet, Conde de Anjou. Por trás de um casamento que uniu duas pessoas, o desdobramento desse evento foi crucial para a história da França, Inglaterra e de toda indústria do vinho. Para contrair núpcias com o Duque de Anjou, Eleanor de Aquitânia anulou seu casamento anterior, com o Rei da França, Luis VII, num ato que chocou todo mundo cristão.

Leonor da Aquitânia (1122 — 1 de abril de 1204) foi uma das mulheres mais ricas e poderosas da Idade Média

Ocorre que Henry Plantagenet, o Conde de Anjou, foi em seguida coroado como Henri II e se tornou o Rei da Inglaterra. Assim, numa tacada só, o Rei da França perdeu a esposa e boa parte do seu território, mais especificamente a Aquitânia, onde se encontra Bordeaux. Esse foi o estopim para um dos mais longos conflitos entre países, que ficou conhecido entre a guerra dos cem anos, entre a França e Inglaterra.

Mas voltando ao nosso tema, a consequência foi que Bordeaux se transformou no maior fornecedor de vinhos para um dos maiores mercados de consumo, a Inglaterra. A guerra acabou, mas Bordeaux soube se adaptar aos novos tempos, aliou-se aos holandeses, voltou a fornecer aos ingleses e suas colônias e nunca mais perdeu a relevância no mercado do vinho.

Quando o rei protestante Henrique VIII desmantelou os mosteiros católicos em meados do século 16, a viticultura inglesa iniciou uma espécie de Idade das Trevas, embora o renascimento cultural estivesse em pleno desenvolvimento.

Desde o século 18, até o início do 20, alguns indivíduos plantaram videiras e fizeram tentativas de produção de vinhos, mas só depois da Segunda Guerra Mundial, nas décadas de 1950 e 1960, é que recomeçou o interesse comercial pela viticultura inglesa.

Bollinger: o champagne de James Bond que encanta a Rainha da Inglaterra

Bebida é a oficial da Família Real Britânica desde o século XIX, e preferida do agente secreto

Na última vez que Sean Connery interpretou o famoso agente 007, em “Diamantes são Eternos” (1971), em uma cena aparece a bebida que seria a companheira de James Bond pelo resto dos filmes da série. Não se trata do consagrado Dry Martini, mas de algo ainda mais elegante e refinado, o Champagne Bollinger.

Champagne Bollinger Especial Cuvée -6l – R$26.384,81 (mercado livre)

No entanto, a fama da casa francesa – especialmente entre os ingleses – vem de muito antes disso. Em 1884, Bollinger foi aceita como fornecedora oficial da corte britânica por ordem da Rainha Victoria. Desde então essa tem sido a bebida das principais festividades da monarquia, incluindo o casamento de Charles e Diana em 1981, por exemplo.

Não é à toa que essa Maison foi escolhida tanto pela rainha quanto pelos produtores de 007, pois tradição é o que não falta quando se fala de Bollinger.

8 vinícolas para você descobrir o vinho inglês

Como mencionei anteriormente, o sul da Inglaterra, particularmente Kent, Sussex e Hampshire, já está consagrado como a mais famosa região do vinho inglês. Mas grandes vinhos também já são produzidos hoje em East Anglia, Dorset e lugares mais a sudoeste, como Gloucestershire, Herefordshire e Worcestershire, Staffordshire, até o norte de Yorkshire.

Selecionado por Enólogos experientes e consagrados, confira oito vinícolas para você visitar pela Inglaterra!

Langham Wine State – Dorset

A vinícola Langham nasceu em 1980 bem pequena e acabou crescendo muito em 2009, quando Justin Langham, filho do dono, decidiu transformá-la em um empreendimento. Hoje ela ocupa 12 hectares da fazenda Crawthorne Farm, no sul da Inglaterra, onde são plantadas as clássicas uvas Chardonnay, Pinot noir e Pinot meunier. A vinícola adota uma abordagem de baixa intervenção em seu processo de cultivo para limitar ao máximo o impacto ambiental. O resultado são espumantes baseados em terroir com uvas colhidas manualmente, processadas no local. Os visitantes podem conversar sobre todo o processo de fabricação do vinho durante uma visita com guia e degustação com duração de duas horas. Outra proposta é fazer uma visita auto-guiada, antes de se servir de almoço ou chá da tarde no Vineyard Café, situado em uma antiga sala de ordenha do século XIX.

Visitas: de 19 de fevereiro até fim de junho: terças a sábados, das 10h às 16h | de julho  a setembro: terças a domingos, das 10h às 16h

Informaçõesinfo@langhamwine.co.uk | https://langhamwine.co.uk/

Rodington Vineyard – Shropshire

A premiada Rodington é uma vinícola familiar de quatro hectares, escondida no coração do pitoresco condado de Shropshire, na fronteira com o País de Gales. Ela produz diversos vinhos finos e os Blue Tractor Wines têm qualidade reconhecida internacionalmente.

Os visitantes podem organizar degustações e uma visita ao vinhedo durante o horário de funcionamento.

Visitas: diariamente, das 10h às 16h (fechado às quartas-feiras)

Three Choirs, Gloucestershire

Three Choirs Vineyards Restaurant

Com um microclima único, o vinhedo e brasserie Three Choirs fica em meio à beleza cênica dos Cotswolds. As primeiras vinhas foram plantadas em 1973 e a área de 30 hectares perto de Newent está entre as mais antigas do gênero na Inglaterra. Alem de tours guiados, os visitantes também podem se hospedar em um dos alojamentos luxuosos com varandas com vista para as vinhas.

A Brasserie tem um cardápio repleto de pratos clássicos e outros criados para a estação, com ingredientes frescos da região. É preciso reservar com antecedência para passeios e degustações.

Visitas: tours e degustações todas as quartas, sextas e sábados às 11h30. Para hóspedes há uma excursão e degustação todos os dias às 16h

 

Giffords Hall, Suffolk

Esta vinícola, localizada na vila de Hartest, em Suffolk, é reconhecida pela variedade de vinhos espumantes, brancos, rosés e tintos. A Giffords Hall está situada nos solos argilosos de um antigo leito de rio glacial e aproveita a localização geográfica para produzir uvas de qualidade com elevado teor de açúcares e ácidos naturais – uma combinação fantástica para vinhos secos e espumantes bastante aromáticos.

É possível participar de passeios privativos ou em grupo e os cães também são bem-vindos! Os Grand Tours do vinhedo ocorrem em datas específicas durante todo o verão, com uma visita guiada e uma sessão de degustação com três vinhos e três licores.

Visitas: às 11h em 6 de maio, 27 de maio, 22 de junho, 13 de julho e 26 de agosto

Informações: https://www.giffordshall.co.uk/

Greyfriars, Surrey

A vinícola Greyfriars mistura mistura métodos tradicionais com moderna tecnologia de produção de vinho para criar uma deliciosa variedade de espumantes ingleses. Graças às condições únicas do solo e o clima da região, os vinhos renderam vários prêmios internacionais para os proprietários Mike e Hilary Wagstaff. Os passeios e degustações acontecem na maioria dos fins de semana e a vinícola também organiza dias abertos com entrada gratuita em algumas ocasiões durante o ano.

Visitas: passeios abertos gratuitos nos sábados 8 de junho e 14 de setembro de 2019. Para tours e degustações é preciso reservar com antecedência no site.

A loja fica aberta de terça a sábado das 10h às 17h

Informaçõesinfo@greyfriarsvineyard.co.uk | https://www.greyfriarsvineyard.co.uk/

Camel Valley, Cornwall

Escondida na zona rural de Cornwall, em Bodmin, a Camel Valley é a maior vinícola da região. Há duas décadas o casal Bob e Annie Lindo vêm produzindo vinho no local e hoje possuem um selo real, o Royal Warrant, assinado pelo Príncipe de Gales, para seu espumante.

Todos os vinhos produzidos na Camel Valley também são vendidos na loja, o que significa que os visitantes podem provar a bebida mesmo quando as degustações do Grand Tour estão lotadas. Sente-se e relaxe na varanda ou siga a Camel Trail pela fazenda até as cênicas praias de areia de Padstow.

Visitas: os Grand Tours acontecem entre abril e outubro, às 17h de quarta-feira, com passeios adicionais no mesmo horário às quintas-feiras durante todo o mês de agosto. Visitas guiadas também acontecem às 14h30, de segunda a sexta-feira, entre abril e setembro.

Informaçõesinfo@camelvalley.com | https://www.camelvalley.com/

Chapel Down, Kent

A vinícola Chapel Down é conhecida por seus vinhos secos e espumantes, que usam uvas de origem local e espelham o método tradicional usado para criar Champagne. Os vinhedos, que cobrem centenas de hectares de zona rural de Kentish, estão abertos durante todo o ano aos visitantes, com lojas de presentes, sessões de degustação e visitas guiadas disponíveis.

A Chapel Down fornece para importantes instituições britânicas, incluindo a Royal Opera House e No. 10 Downing Street, e seus vinhos também são populares entre os famosos chefs Gordon Ramsey e Jamie Oliver. Os visitantes também podem desfrutar de cozinha britânica moderna no restaurante The Swan.

Visitas: aberto diariamente das 10h às 17h. Para tours e restaurante recomenda-se reservar com antecedência

Informações: sales@chapeldown.com | https://www.chapeldown.com/

Sharpham Wine and Cheese, Devon

Produzindo mais de uma dúzia de vinhos, muitos deles premiados internacionalmente, além de queijos não pasteurizados, a Sharpham oferece passeios diferentes e oportunidades de degustação do melhor do vinho inglês. Os visitantes podem explorar o local com vista para o rio Dart ou participar de um passeio Vine to Wine com guia especializado.

O Cellar Door Kitchen, um café de cozinha ao ar livre, está aberto durante toda a temporada e traz um cardápio com ingredientes locais e alguns deles colhidos na própria vinícola.

Visitas: os passeios Vine to Wine acontecem de abril a outubro às 15h, sempre nos fins de semana. É obrigatório reservar com antecedência.

Informaçõesinfo@sharpham.com | https://sharpham.com/

Prezados leitores, um realce para a história, para as belas vinícolas e seus atrativos turísticos, é fantástico poder compartilhar com vocês um pouco deste lindo País. Teria muitos fatos a realçar e mostrar a todos vocês, mas, sempre é bom deixar um pouquinho de vontade a cada um em conhecer esse lindo país e suas vinícolas, além de suas modernas e antigas cidades. Sendo o uísque e a cerveja a principal bebida da população, o vinho e o espumante também tem seus apreciadores…

Abraço a todos e Muito Obrigado sempre pelo incentivo ao nosso trabalho….

Boa semana! Bons Vinhos! Gute Reise! Tim-Tim!

Fontes: Viajar verde; artwine; winefun; https://revistaadega.uol.com.br/
Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.