Terça-feira, 21 de Setembro de 2021
Telefone: (54) 3332-1699
Whatsapp: 054 9 9715-2658
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Chuvas esparsas
20°
11°
15°C
Não-Me-Toque/RS
Chuvas esparsas
Ao Vivo:
Ciência e Tecnologia

Hospital Moinhos de Vento realiza terapia considerada a nova esperança para pacientes com câncer de próstata metastático

Hospital Moinhos de Vento realiza terapia considerada a nova esperança para pacientes com câncer de próstata metastático
26.08.2021 10h47  /  Postado por: A Folha

Um novo tratamento para o câncer de próstata promete ser a esperança na busca de um tempo de sobrevida maior. Pela primeira vez no Rio Grande do Sul, o Serviço de Medicina Nuclear do Hospital Moinhos de Vento — dentro do conceito de medicina de precisão — realizou a terapia inovadora com o radiofármaco Lutécio 177-PSMA num paciente de 58 anos com neoplasia de próstata avançada. Estudos publicados neste ano nas revistas Lancet e The New England Journal of Medicine apontaram que a alternativa é mais eficaz em homens com esse tipo de tumor.

O lutécio é um isótopo radioativo que é carregado pela PSMA (proteína localizada na membrana das células cancerosas prostáticas) até o câncer de próstata. Por ser injetável e se espalhar pelo corpo pela corrente sanguínea, ele consegue chegar a qualquer lugar onde exista o tumor e suas metástases. Sua ação consiste em matar células malignas com radiação beta, preservando as sadias ao redor.

Teranóstico: uma nova esperança

A técnica ganhou destaque neste ano, depois que estudos internacionais, como o VISION — apresentado no Congresso Americano de Oncologia (ASCO) deste ano e publicado recentemente no The New England Journal of Medicine —, demonstraram que o tratamento é capaz de prolongar a sobrevida dos pacientes com neoplasia de próstata avançada com metástases PSMA positivas.

A estratégia chamada de Teranóstico ou Teragnose, que como a palavra mesmo define combina um radiofármaco para diagnóstico e outro para tratamento, está presente nesta inovação. “É feita uma avaliação inicial com PET/CT Galio-68-PSMA para estadiamento da doença e, uma vez detectada  a presença de recidiva tumoral e/ou metástases, decide-se pela terapia com o Lutécio-177-PSMA. A medicação é então administrada de forma intravenosa, a cada 6-8 semanas, em um máximo de seis ciclos. Exames laboratoriais e de imagem regulares são necessários para a avaliação da resposta ao tratamento”, explica o chefe do Serviço de Medicina Nuclear do Hospital Moinhos de Vento, Gabriel Blacher Grossman.

O primeiro paciente tratado com lutécio no Rio Grande do Sul recebeu a medicação no dia 28 de julho. Esse tipo de terapia já era utilizada em outros estados do país, na Europa, em países como a Alemanha, além dos Estados Unidos. Aprovada no Brasil, agora está disponível no Hospital Moinhos de Vento. O Serviço de Medicina Nuclear também oferece o Lutécio-177-DOTATOC para tratamento de tumores neuroendócrinos.

Medicina de precisão

O médico do Serviço de Oncologia, Pedro Isaacsson Velho, destaca que o radiofármaco entrega a radiação de maneira precisa no câncer, agindo no DNA do tumor. “É o que chamamos de terapia-alvo, que atua direto na célula cancerígena e preserva as sadias”, esclarece. O oncologista acrescenta que essa é uma alternativa menos tóxica que opções como a quimioterapia e com efeitos colaterais mais tênues na maioria dos pacientes. “Eles vivem mais e vivem melhor”, conclui.

De acordo com o chefe do Serviço de Urologia do Hospital Moinhos de Vento, Eduardo Franco Carvalhal, a terapia é uma nova esperança, pois pode regredir o câncer e aumentar a sobrevida do paciente. “Em alguns casos, as lesões metastáticas retrocedem de forma significativa”, observa o urologista. As metástases acometem, em especial, os ossos e o linfonodos, mas podem atingir outros órgãos como pulmão e fígado. “Futuramente, é possível uma indicação antecipada do fármaco já como escolha de tratamento em uma fase mais precoce, em substituição a outras alternativas”, sentencia. Na avaliação do especialista, o Lutécio 177-PSMA dá mais uma chance àqueles homens que não obtiveram êxito em outros tratamentos, proporcionando uma sobrevida maior, e, muitas vezes, controlando sintomas e melhorando a qualidade de vida.

Indicações

O radiofármaco é indicado a pacientes com câncer de próstata em estágio avançado e que não respondem mais às alternativas disponíveis, como a terapia de deprivação hormonal (na qual, com o uso de medicação, se reduz a produção de testosterona e o estímulo às células cancerígenas) ou a quimioterapia. “Essas opções diminuem as metástases. Porém, há casos em que vão falhar, em algum momento, e a doença vai progredir porque as células tumorais acabam sofrendo mutações e tornando-se resistentes aos tratamentos”, pondera Carvalhal.

Câncer de próstata

Segundo tipo de câncer mais comum entre os homens, pode ser assintomático ou apresentar sintomas urinários (aumento da frequência urinária, sangramento, urgência e incontinência), ou, em estado avançado, ocasionar dores ósseas. Entre as formas de diagnóstico estão a biópsia com fusão de imagens da ressonância magnética e o PET-CT com PSMA.

O Instituto Nacional de Câncer (INCA) estima que serão registrados 65.840 casos novos de câncer de próstata para cada ano do triênio 2020-2022 no Brasil. Esse valor significa que 63 em cada 100 mil homens devem ser diagnosticados com esse tipo de tumor no período. Apesar de, em muitos pacientes, tratar-se de uma doença de evolução lenta, muitos casos são agressivos, tornando a doença a segunda causa de morte por câncer em homens no nosso meio.

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.