Terça-feira, 21 de Setembro de 2021
Telefone: (54) 3332-1699
Whatsapp: 054 9 9715-2658
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Chuvas esparsas
20°
11°
15°C
Não-Me-Toque/RS
Chuvas esparsas
Ao Vivo:
Esportes

Brasil termina Paralimpíadas em 7º lugar, com 72 medalhas e recordes

Brasil termina Paralimpíadas em 7º lugar, com 72 medalhas e recordes
06.09.2021 10h39  /  Postado por: A Folha
Por Redação do ge

A melhor campanha brasileira em Jogos Paralímpicos aconteceu este ano, em Tóquio 2020. Mas começou a ser gestada há mais de duas décadas, durante o ciclo de preparação para Atenas 2004. Foi na Grécia, quando surgiu o slogan atual das Paralimpíadas, “espírito em movimento”, que o Brasil despontou como uma das principais forças mundiais, ficando pela primeira vez no top 20 do quadro de medalhas – 14º lugar – e finalmente conquistando mais de dez ouros, chegando a 14 no total. E foi em Tóquio que o país mostrou que não parou no tempo nem se acomodou. Segue em movimento e confirmou, neste último dia dos Jogos, o melhor desempenho de sua história ao conquistar 22 ouros, um a mais do que recorde anterior de 21, de Londres 2012.

A posição no quadro de medalhas pode até ser igual à de Londres 2012, sétimo lugar, e o número total de pódios empata com a Rio 2016, com 72. Mas além do ouro a mais, saltam aos olhos a renovação da delegação e a diversidade de modalidades medalhadas, além da consistência entre os maiores: o país ficou no top 10 pela quarta edição seguida dos Jogos, e dessa vez com 14 modalidades subindo ao pódio. De brinde, alcançou seu centésimo ouro em Paralimpíadas, chegando a 109 no fim.

Não houve pandemia ou crise econômica e política capaz de parar o Brasil. Nem mesmo o fato de que as Paralimpíadas 2020 aconteceram na verdade em 2021, transformando um ciclo usual de quatro anos em um longo, de cinco. Reclassificações funcionais tiraram o sono e, em alguns casos, os recordes de atletas, como do maior ídolo paralímpico nacional, Daniel Dias. E, já durante os Jogos, até medalha perdida no tapetão os brasileiros tiveram que enfrentar, caso do atleta Thiago Paulino, que viu seu ouro ser transformado em bronze horas após a prova, por uma infração que nunca chegou a ser explicada.

Ainda assim, há muito o que comemorar. Para começar, as 72 medalhas brasileiras foram ganhas em 14 modalidades, numa demonstração da diversidade de talentos esportivos presentes na delegação de 258 atletas – menor apenas do que a do Rio, que, com 285 atletas, beneficiou-se de classificações automáticas por ser país-sede.

Petrúcio Ferreira e Washington Júnior dançam após medalhas nos 100m — Foto: Wander Roberto /CPB @wander_imagem

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.