Sábado, 28 de Maio de 2022
Telefone: (54) 3332-1699
Whatsapp: 054 9 9715-2658
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempo nublado
18°
14°
15°C
Não-Me-Toque/RS
Tempo nublado
Ao Vivo:
Saúde

Endometriose: doença acomete grande porcentagem das mulheres

Endometriose: doença acomete grande porcentagem das mulheres
13.05.2022 09h41  /  Postado por: A Folha

Dr Mateus Lupi
explica que o Diagnóstico precoce é importante

A endometriose é uma doença que acomete muitas mulheres no Brasil. Dados da Agência Brasil indicam que cerca de 10% da população feminina seja portadora do problema.

Para falar mais sobre essa doença, como prevenir e como tratar, convidamos o ginecologista e obstetra Mateus Lupi. O profissional atende no Centro de Especialidades e Diagnóstico Júlia Billiart.

A Folha: Como é o ciclo menstrual feminino e de que forma ele está ligado a doença?

Dr Mateus Lupi: Para entendermos a endometriose temos que ter uma pequena noção de que como é o ciclo menstrual da mulher. Uma vez que a endometriose é a proliferação das células endometriais, que normalmente estão recobrindo a parede interna do útero, o qual se prepara para uma gestação, não havendo a fecundação, ocorre a descamação dessas células endometriais que configuram a menstruação.

AF: O que é a endometriose?

Dr Lupi: Consiste em uma doença benigna, crônica, com características inflamatórias. A endometriose seria numa primeira hipótese esse fluxo oposto, inverso à descida do fluxo menstrual e a multiplicação dessas células endometriais na pelve, dentro da cavidade abdominal, podendo essas células se implantarem na tuba, reto, ovários, trompa ou vagina, causando desconforto e dor. A endometriose nada mais é que a proliferação das células que deveriam estar dentro do útero, havendo multiplicação e sangramento, influenciada pelos níveis hormonais.

AF: Qual o grupo que pode ser afetado?

Dr Lupi: Afeta as mulheres em idade fértil, jovens. Geralmente, os sintomas começam na primeira menstruação e vão até o período que a mulher entra na menopausa. Então essas menstruações acabam se tornando dolorosas, desconfortáveis, as vezes, com aumento do fluxo menstrual.

AF: Quais são os sintomas e graus de classificação da doença?

Dr Lupi: A variação dos sintomas depende muito da intensidade da doença. Podendo ser classificada como leve, moderada e intensa. Então depende dessa intensidade e da localização desses focos dentro da pelve feminina. Geralmente, se caracteriza por dor em baixo ventre, dor durante as relações sexuais, menstruações dolorosas, pode haver sangramentos durante a micção (urina) e evacuação, uma vez essa infecção pode ser a nível de bexiga e reto.

AF: Qual o número de mulheres afetadas pela doença? Qual os índices de casos mais sérios como infertilidade?

Dr Lupi: O acometimento é de aproximadamente 6 milhões de mulheres no Brasil, em torno de 30% delas podem vir a se tornar estéreis. Uma das principais complicações da endometriose é a infertilidade.

AF: Como é o diagnóstico?

Dr Lupi: É uma doença de difícil diagnostico, com uma série de sinais e sintomas e o acometimento de diferentes tecidos e órgãos. Nós partimos da história clínica, exame físico, fazendo a apalpação das regiões do útero, ovário e vagina aonde pode haver dor, desconforto. Em estágios avançados, pode gerar cistos grandes nos ovários, podendo ser palpável no exame físico. Também são realizados exames como ultrassom, ressonância, exames de sangue. E o teste mais fidedigno seria a laparoscopia, aonde você vai olhar com a inserção de uma câmera dentro do abdômen da mulher, visualizando os focos e coletando material para biopsia.

AF: Qual o tratamento?

Dr Lupi: Depende muito da faixa etária da paciente, se ela tem ideia ainda de ter uma vida reprodutiva, se ela tem ou não filhos. Mas vai desde o uso de hormônios, uma das possibilidades é deixar a mulher sem menstruação, com uso de pílulas de uso continuo. Podemos usar hormônios. Dependendo do estágio, pode-se usar até o tratamento cirúrgico ou com a recomendação de retirada do útero. Mas o tratamento é muito individualizado, variando muito de acordo com a paciente.

Quanto mais cedo o diagnóstico, mais adequado será o tratamento. O médico ginecologista ressalta que sentir dor ao menstruar não é normal, e o acompanhamento regular da paciente pelo ginecologista é necessário para uma boa saúde da mulher.

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.
Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Página Inicial e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Prosseguir