Segunda-feira, 15 de Agosto de 2022
Telefone: (54) 3332-1699
Whatsapp: 054 9 9715-2658
Clique para Ouvir
Tempo nublado
22°
14°
22°C
Não-Me-Toque/RS
Tempo nublado
Ao Vivo:
Cultura e lazer

Como a constelação familiar ajuda nos relacionamentos entre pais e filhos

Como a constelação familiar ajuda nos relacionamentos entre pais e filhos
Foto: Divulgação/ Internet
05.08.2022 09h08  /  Postado por: A Folha

Com a proximidade do Dia dos Pais, muitos brasileiros passam por reflexões sobre o significado da paternidade. Isso porque, segundo dados da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-brasil), em 2021, foram registradas 163.895 crianças sem pai no país. Para ajudar na alienação ou ausência parental e também a solucionar conflitos entre pais e filhos, muitas famílias estão recorrendo as constelações familiares. “É uma prática diferente das terapias tradicionais, que ajuda a resolver conflitos, de ordem pessoal, profissional e até de saúde. O trabalho é feito em uma única sessão e pode trazer qualidade de vida para a pessoa e para todo o sistema familiar”, explica Marcel Scalcko, especialista na área e que já ajudou mais de 5 mil pessoas com a técnica.

Em 2018, o Sistema Único de Saúde (SUS) incluiu a constelação nas Práticas Integrativas e Complementares (PICS). Contudo, muitos ainda desconhecem a prática e os benefícios que essa abordagem alternativa gera nos relacionamentos familiares.

Além da saúde pública, o poder judiciário também reconheceu a importância da constelação familiar, que vem sendo adotada para resolver conflitos em 16 estados do Brasil.

A prática, também conhecida como constelação sistêmica, foi criada pelo alemão Bert Hellinger, em 1978, e é baseada nas três ordens do amor: hierarquia, pertencimento e equilíbrio. De acordo com Marcel Scalcko, quando essas leis são desrespeitadas, a vida fica em desequilíbrio. A constelação pode ser feita em grupo (workshop) ou individualmente. Uma constelação se dá por meio da reunião do constelador, do paciente e de um grupo de pessoas que são convidadas a representar membros da sua família, de forma figurativa.

“Qualquer questão que tenha acontecido com os nossos antepassados, vai impactar toda a descendência dessa família, caso fique oculto. Recebemos muitos casos conflitantes de pais e filhos. O Brasil é um país sem pais. São sessões emocionantes. Há pessoas que chegam para sessão e dizem que não falam com o pai há anos. Uma semana depois, me ligam e contam que fizeram as pazes. Isso porque a pessoa entendeu e fez valer as ordens do amor. Por meio da dinâmica, ela equacionou algo dentro dela, em relação ao sistema familiar e só assim pode fazer as pazes com o pai”, esclarece Scalcko.

Conflito da mãe na escolha do pai do seu filho

A mineira Fábia Pires procurou a constelação familiar, porque não aceitava a sua escolha para o pai de sua filha. “Na representação, entendi que a medida que julgava a minha própria decisão, afastava a minha filha de mim e não somente do pai. Com a dinâmica, foi possível olhar para esse pai com mais amor e carinho e perceber que ele era o melhor pai que a minha filha poderia ter. Até que consegui harmonizar a relação entre eu, ele e minha filha”, comenta a paciente.

Fábia conta, também, que foi provocada para olhar a relação e como enxergava essa paternidade. “Foi um momento de despertar, não apenas da paternidade do pai da minha filha com ela, mas também do meu pai comigo. Foi uma experiência incrível, bem dolorosa, mas bem conduzida”.

Segundo o constelador Marcel Scalcko, os temas que mais aparecem na terapia alternativa são: desequilíbrio financeiro, falta de um parceiro, desarmonia na família, dilemas na carreira, conflitos nos relacionamentos de casal. “Os resultados variam de pessoa para pessoa. A compreensão do descumprimento das ordens do amor ocorre no evento. O tempo que a pessoa vai demandar para se submeter, respeitar e se alinhar as ordens do amor vai depender de cada um. Há pessoas que resistem, outras que se rendem”.

Conheça as três leis da vida na constelação familiar

1 – Lei da ordem ou da hierarquia
“Existe uma ordem de chegada e os mais velhos, que chegaram primeiro, têm certos privilégios em relação aos mais novos. Porém, quem chega antes também tem mais responsabilidades com relação a quem veio depois. Por outro lado, quem vem depois deve respeito e honra a quem chegou antes”. Marcel explica que se há um conflito entre pai e mãe, por exemplo, o filho não pode entrar no meio para apaziguar ou defender um dos lados. Caso contrário, ele sai do lugar de filho e toma o partido por um dos pais. Dessa forma, ele estaria descumprindo a lei da ordem.

2 – Lei do pertencimento
“Ninguém pode ser excluído do sistema familiar. Um exemplo de exclusão seria uma mãe que sofreu um aborto e depois teve um filho. Esse filho não é o primogênito. O filho que nasceu e morreu é o primeiro. Isso não pode ficar oculto ou passar despercebido. Caso contrário, essa família estaria excluindo a primeira criança e consequentemente desrespeitando a lei do pertencimento, ensina o constelador.

3 – Lei do equilíbrio
“Fala sobre a troca, o ato de dar e receber. Para as nossas relações funcionarem, devemos manter o equilíbrio entre dar e receber. Por exemplo: quando ambas compartilham mutuamente, dando e recebendo aquilo que cada um é capaz”, acrescenta o especialista.

Por Correio Braziliense

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.
Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Página Inicial e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Prosseguir