Passo Fundo/RS: Tempo nublado
Carazinho/RS: Parcialmente nublado
Passo Fundo/RS: Tempo nublado
Carazinho/RS: Parcialmente nublado

Notícias

18 de abril de 2006

Cai a máscara do MST

Levou cerca de 20 anos para a imprensa e a opinião pública conhecer a verdadeira intenção dos líderes dos sem-terras. O perfil de vítimas da sociedade, escudados por mulheres e crianças maltrapilhas em todas as suas ações – aliás, crianças desrespeitadas em todos os aspectos, sob as vistas da lei – está caindo por terra. Do desmatamento com fins lucrativos a ações de guerrilha transmitidas por quem recebeu formação internacional, à violação de crianças, nada existe de novo nestes anos todos, desde a invasão da Fazenda do Annoni (1987), em Sarandi.
Não precisamos ir longe, o clima de invasão foi visto em Não-Me-Toque, em 12/3/1992, com a invasão do Posto Agropecuário. As famílias de funcionários que residiam no local foram expulsas de casa durante a madrugada, sob gritos, estrondos de porretes e foices nas portas e paredes. Foram saqueadas e expulsas de seus lares sem direito de carregar se quer os pertences pessoais. Invasores que acabaram ganhando a terra do posto Agropecuário. Muitos, sem vocação, arrendam a área; alguns buscam emprego na cidade, tirando vaga de quem não ganha cesta básica do Governo Federal, auxílio e terra do Incra. Um deles, trabalha como caminhoneiro, ganhou recursos para construir uma casa através da Crehnor e nem a concluiu (foto). Por certo não teve que prestar contas.
Defensores de sem-terras ainda há. Ou não conhecem a realidade ou têm interesse em defender quem se utiliza da ilegalidade visando gerar uma revolução social, que só beneficiaria líderes totalitaristas como os que vimos cair, no escândalo do Mensalão.

Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Permitir