Terça-feira, 26 de Março de 2019
Telefone: (54) 3332-1699
Curta nossa página no Facebook:
Ensolarado
22°
10°
21°C
Não-Me-Toque/RS
Ensolarado
Destaques

A desistência do Mais Médicos e o calote de Cuba

A desistência do Mais Médicos e o calote de Cuba
Deputado Federal Jerônimo Goergen (Progressistas-RS)
14.11.2018 17h17  /  Postado por: helaine

O deputado federal Jerônimo Goergen (Progressistas-RS) disse que a saída de Cuba do Programa Mais Médicos, anunciada nesta quarta-feira (14) pelo governo daquele país, pode guardar motivações que vão além da versão oficial.

Deputado Federal Jerônimo Goergen (Progressistas-RS)

Também na edição de hoje, o jornal O Estado de São Paulo revela que Venezuela, Moçambique e Cuba devem R$ 1,8 bilhão ao BNDES em pagamentos atrasados.

“No caso de Cuba, as dívidas em atraso, desde junho, somam US$ 71,2 milhões – USS 26 milhões relativamente a financiamentos de exportação do BNDES e cerca de 40 milhões euros no Proex Financiamento (linha com subsídios federais para apoiar exportações de empresas de menor porte)”, segundo a assessoria de imprensa do banco.

Ainda de acordo com o Estadão, o destaque nas operações para Cuba é o empréstimo de US$ 682 milhões, contratado em cinco operações entre 2009 e 2013, para o Porto de Mariel, a 45 quilômetros da capital, Havana. As obras foram tocadas pela Odebrecht e inauguradas em janeiro de 2014, com a presença da então presidente Dilma Rousseff.

– Cuba se apressa em justificar o retorno dos mais de 11 mil médicos cubanos que trabalham atualmente no Brasil, considerando inaceitáveis as declarações do presidente eleito Jair Bolsonaro, que questionou a preparação dos especialistas e condicionou a permanência dos mesmos “à revalidação do diploma” e impôs “como via única a contratação individual” não mais via governo de Cuba – disse Jerônimo.

Na avaliação do deputado, Cuba prepara uma justificativa de ruptura nas relações com o futuro governo para não pagar o que deve ao Brasil e aos empresários brasileiros.

– Uma estratégia de mau pagador para justificar o calote. Agora, precisamos buscar uma alternativa para resolver esse impasse comercial e encontrar uma forma de remunerar as empresas pelos embarque já efetuados e não pagos. Quanto aos profissionais da saúde, abre-se uma grande oportunidade para aproveitar a mão-de-obra nacional – disse o deputado em nota divulgada para a imprensa.

Deputado Federal Jerônimo Goergen (Progressistas-RS)

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.