Segunda-feira, 19 de Agosto de 2019
Telefone: (54) 3332-1699
Curta nossa página no Facebook:
Ensolarado
14°
13°C
Não-Me-Toque/RS
Ensolarado
Cultura e lazer

Melhorar a forma de aprender, colaborar e inovar: devemos fazer tudo ao mesmo tempo!

Melhorar a forma de aprender, colaborar e inovar: devemos fazer tudo ao mesmo tempo!
Fonte: Freepik.com
28.06.2019 14h27  /  Postado por: helaine
Por: Jocelito André Salvador

Aprender, colaborar e inovar, muito mais que um clichê dos nossos dias, torna-se cada vez mais crítico para as organizações, de verdade.

Aliás, falar de Learning Organizations (Organizações de Aprendizagem) nos remete à obra de SENGE, Peter. O que, por sua vez, nos leva a pensar nas 05 disciplinas deste tipo de organização.

Contudo, o que mesmo estas disciplinas tem a ver com aprender, colaborar e inovar? Especialmente, será possível fazer tudo ao mesmo tempo? Quero dizer: inovar com base na aprendizagem contínua e na colaboração entre as pessoas para que a sua organização seja cada vez mais inteligente.

Então, o que diferencia as empresas inteligentes?

Verdadeiramente, as empresas inteligentes, são aquelas que têm a capacidade de aprender, colaborar e inovar, ou seja, apresentam, de alguma forma, as 05 disciplinas destacadas por SENGE:

  1. Domínio pessoal: as pessoas, independentemente da sua posição, são estimuladas a aprofundar o seu autoconhecimento. Todo o ser humano tem talentos e inteligência. Contudo, há a necessidade de se autoconhecer.

Isto acontece, especialmente, através de processos de coaching, mentoring e também de desenvolvimento através de capacitações que tenham este fim (autoconhecimento).

  1. Modelos mentais: aqui o destaque é para que se analise e reanalise, constantemente, tanto os modelos mentais individuais, quanto os modelos mentais enquanto grupo. Isso porque o ser humano, por ser um ser social, tende a impactar e ser impactado pelos grupos que pertence.

Você, especialmente sendo um(a) líder, já teve oportunidade de analisar se está permitindo que esta análise/reanálise dos modelos mentais, efetivamente ocorra?

  1. Visão compartilhada: algo essencial se quisermos aprender, colaborar e inovar. Aliás, não há criação de novos conhecimentos se não houver a visão compartilhada, em algum momento. Há uma das fases da criação do conhecimento organizacional, denominada externalização, onde ter esta visão no time torna-se essencial.

Aqui, a questão é basicamente é: será que na minha empresa há uma forma de comunicação adequada na sua empresa para que a visão (meta) a ser atingida seja compreendida e compartilhada por todas as áreas da empresa?

  1. Aprendizagem em equipe: de nada adianta aprender de forma individual, se isto não for transferido para o restante do time e se transforme em inovação constante de processos, serviços e/ou produtos.

Vejamos o seguinte, de que vale mesmo eu fazer um treinamento, participar de congressos, feiras etc. e tal, contando com o dinheiro da empresa, se estes novos conhecimentos não forem transferidos para as outras pessoas, mesmo que seja na forma de novos processos na empresa?

  1. Pensamento sistêmico: pensar no todo, na cadeia de valor da sua empresa, e não somente na sua ilha. Isso é essencial em tempos de mundo globalizado e digital.

Este ponto não exige maiores comentários. Você, inteligente como é, já compreendeu perfeitamente o que necessita ser feito. Tenho certeza.

As cinco disciplinas de Peter Senge

Pois bem, a análise das 05 disciplinas de SENGE nos leva ao questionamento com relação a treinamento e aprendizagem.

Passar do treinamento para a aprendizagem

Há outro aspecto muito relevante a ser considerado quando se trata de aprender, colaborar e inovar.

Devemos rever a forma como estamos preparando as pessoas dos times da nossa empresa.

Quero dizer com isso que devemos nos preocupar não somente em treinar, ou seja, focar nas habilidades técnicas, o famoso ‘know-how’. Há a necessidade de capacitar as pessoas, ou seja, desenvolver a capacidade destas pessoas de aprender, colaborar e inovar.

Capacitar, neste caso, está ligado ao ‘know-why’, ou seja, ao saber porque a sua atividade, a sua posição, é relevante para o sistema da empresa como um todo.

Faço questão, inclusive, de sugerir que você possa analisar o a situação da sua empresa hoje e com base no que foi exposto aqui possa fazer as suas sugestões de melhoria.

Saiba que mesmo que as suas sugestões não sejam aceitas, num primeiro momento, todo mundo ganha neste processo. Você que se desafiou a aprender, colaborar e inovar, seus colegas que podem receber as melhorias dos processos e também a sua empresa que pode ter novas ideias para melhorar seus processos, produtos e serviços através das pessoas do time.

Por: Jocelito André Salvador, Founder e CEO da Conducere Inteligência Corporativa. Mentor e assessor de Smart Business. Professor universitário, com ênfase em controladoria, educação corporativa, gestão do conhecimento e inovação. Coautor do livro Inovação e Cidades Inteligentes: desafios e oportunidades para as cidades do século XXI.

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.