Segunda-feira, 25 de Janeiro de 2021
Telefone: (54) 3332-1699
Whatsapp: 054 9 9715-2658
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempo limpo
26°
19°
18°C
Não-Me-Toque/RS
Tempo limpo
Ao Vivo:
Agronegócios

Cotrijal: Hora de produzir mais leite

Cotrijal: Hora de produzir mais leite
Valter Galan: “O produtor precisa aproveitar esse momento de forma inteligente.
19.08.2020 07h48  /  Postado por: A Folha

“Depois de um primeiro semestre ruim em termos de preços e rentabilidade, porque os insumos da ração estão mais caros, agora é tempo de aproveitar, aumentar a produção. E gerenciar bem a atividade, para poder prolongar os efeitos desse bom momento do mercado”. A avaliação é do analista de mercado do MilkPoint, Valter Galan.

Historicamente, o preço do leite baixa a partir de julho, principalmente no Rio Grande do Sul, porque a produção sobe em função das pastagens de inverno. E esse normalmente é um período em que o volume de importações cresce.

Em 2020, o mercado vem surpreendendo. Os fatores principais que têm influenciado, segundo Galan, para alta de 20% no valor pago ao produtor são:

– o auxílio emergencial do governo, que contribuiu para o aumento do consumo de lácteos;
– a concentração do consumo dentro das residências em função quarentena;
– a alta do dólar, que não tornou vantajosa a importação de lácteos que ocorre anualmente nesta época;
– a redução no consumo de combustível, roupas e outros itens, levando ao aumento do consumo de alimentos em geral, incluindo os lácteos;
– a produção não conseguiu acompanhar o crescimento da demanda, que chega a 70%.

O analista de mercado recomenda que não sejam feitos investimentos com base nesse momento. “Faça pelo menos uma média dos últimos 12 meses para tomar decisões. São preços muito altos e não se sabe quanto tempo vão se manter”, pondera.

CENÁRIO

– No Brasil, tudo depende de como vai ficar a questão do auxílio emergencial. Se o auxílio permanecer, mesmo em volumes menores, os bons preços ao produtor podem se manter por mais algum tempo.
– A safra no Sul e em Goiás e Minas Gerais deve pressionar os preços para baixo mais para o final do ano em função do aumento da oferta. Mas a demanda terá grande influência.
– O perfil de consumo das pessoas vai mudar. O consumo de refeições dentro do lar tende a se sustentar elevado.
– O consumidor vai sair da pandemia muito mais exigente em saber qualidade e origem do produto.

Veja a reportagem completa na edição de agosto do Jornal da Cotrijal.

*Assessoria de Imprensa da Cotrijal
Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.