Passo Fundo/RS: Tempo limpo
Carazinho/RS: Tempo limpo
Passo Fundo/RS: Tempo limpo
Carazinho/RS: Tempo limpo

Notícias

Rodrigo Alves de Carvalho

7 de setembro de 2023

Na época da Pátria amada

Rodrigo Alves de Carvalho
Por Rodrigo Alves de Carvalho 

Essa semana é dedicada às comemorações à Pátria. E nos últimos tempos, temos ouvido muito essas palavras: Pátria, patriotismo, patriotas...

Mas, sem querer entrar em conotações políticas ou ideologias furadas e antiquadas, que não fazem mais sentido em um mundo globalizado, prefiro falar das lembranças de uma Pátria mais civilizada, onde o objetivo comum era o orgulho à nossa terra, e não aos politiqueiros.

Do patriotismo da época de menino onde tínhamos que desfilar pelas ruas, no dia 7 de setembro, atrás de uma fanfarra, para ganhar pontos na escola.

Aquilo sim, era patriotismo.

Acordar de manhã em pleno feriado de 7 de setembro, ficar esperando o momento de começar o desfile e geralmente, quando o sol já estava bem forte e causticante, começávamos a marchar, sincronizando os passos com os colegas da fila indiana, braços, pernas e pés ao mesmo tempo, ao som das caixas, do bumbo, dos surdos e dos pratos.

Que sentimento feliz! Patriota de Kichute, descendo a rua em ladeira, ao som do brado retumbante, um verdadeiro soldado de nove anos, marchando, indo em direção à glória...

Mas, alguém tinha que pisar no calcanhar e o Kichute sair do pé.

A marcha descompassada, arrastada, o calçado pendurado pelo cordão em volta da canela, e o desfile que segue.

Marcha soldado, com um pé calçado e o outro só com a meia branca furada no dedão.

Meninos que riem... pessoas segurando a risada... e o soldado não para, continua a marchar.

Somente quando uma das professoras percebe o acontecido, é que sou retirado da fila de marchadores para recolocar o calçado, para depois, voltar correndo ao meu posto, com o peito estufado, corpo em movimento, como se nada tivesse acontecido.

Bandeirinhas do Brasil agitadas na praça, discurso do prefeito, vereadores e até do padre, enquanto o sol esturricava e a criançada esperando o blábláblá para poder, enfim, tomar um gole d’água. Após os balões subirem aos céus e os fogos espocarem, os patriotazinhos são liberados para encontrarem com seus pais, e seguirem para casa, balançando a bandeirinha do Brasil, com a satisfação do dever cumprido.

Que saudades da época em que havia coerência em sentirmos orgulho de nossa Pátria!

* Rodrigo Alves de Carvalho nasceu em Jacutinga (MG). Jornalista, escritor e poeta possui diversos prêmios literários em vários estados e participação em importantes coletâneas de poesia, contos e crônicas. Em 2022 relançou seu primeiro livro individual intitulado “Contos Colhidos” pela editora Clube de Autores, disponível na Amazon, Americanas.com, Estante Virtual e Submarino.

Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Permitir