Passo Fundo/RS: Tempo nublado
Carazinho/RS: Chuvas esparsas
Passo Fundo/RS: Tempo nublado
Carazinho/RS: Chuvas esparsas

Notícias

Acompanhamento de equipes multidisciplinares, como dentistas, é essencial para pacientes em tratamento contra o câncer Créditos: Envato

23 de outubro de 2023

Câncer de mama e saúde bucal são mais próximos do que se imagina

São inúmeras as evidências que destacam a relação da saúde bucal com o bem-estar geral das mulheres. Um estudo realizado pelo Hospital de Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, por exemplo, revelou que questões hormonais, como a pós-menopausa, podem influenciar o desenvolvimento de problemas bucais, gengivais e dentários. Na análise da USP, a prevalência de doença periodontal crônica era significativa em mulheres entre 50 e 59 anos, assim como em mulheres na pós-menopausa que não realizavam reposição hormonal, atingindo 64,4%, em comparação com 46,3% entre aquelas que faziam reposição hormonal.

De acordo com o dentista e especialista em saúde coletiva da Neodent, João Piscinini, esses dados comprovam que a variação dos hormônios nas mulheres propicia o surgimento de inflamações. “É de conhecimento dos profissionais da odontologia que a questão hormonal é um fator agravante, pois há uma maior predisposição a problemas bucais em mulheres durante outras fases de forte impacto de hormônios, como a puberdade, o ciclo menstrual, a gravidez e a própria menopausa”, avalia.

Impacto na saúde do corpo todo

É fato também que a partir das doenças bucais diversos outros problemas podem ser desencadeados no corpo da mulher, como distúrbios de infertilidade, complicações na gravidez, partos prematuros e, em alta incidência, o câncer de mama. E, como um efeito dominó, diversos estudos apontam que problemas como gengivite, cárie, aftas e a própria doença periodontal tendem a surgir com maior facilidade e gravidade em pacientes que estão em tratamento contra o câncer de mama. “Lesões bucais são complicações frequentes da quimioterapia e da radioterapia, devido à alta sensibilidade oral aos efeitos dos quimioterápicos”, explica o especialista.

Essas informações trazidas pelas pesquisas reforçam a necessidade de acompanhamento regular com um profissional dentista, não só como hábito de rotina, mas principalmente durante o tratamento de doenças e outras alterações na saúde do corpo. “É essencial que essas pacientes recebam cuidados multidisciplinares para prevenir e tratar problemas na cavidade oral, pois, em casos graves, essas complicações podem agravar ainda mais a qualidade de vida dessas mulheres”, afirma o dentista.

 

Fonte: Central Press

Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Permitir