Passo Fundo/RS: Chuva
Carazinho/RS: Chuvas esparsas
Passo Fundo/RS: Chuva
Carazinho/RS: Chuvas esparsas

Notícias

Foto: reprodução redes sociais

1 de janeiro de 2024

Turistas matam chefe do PCC a pauladas durante assalto

Vítimas reagiram a roubo praticado por Kaíque Martins Coelho e comparsa; caso ocorreu em residência na Baixada Santista

Kaíque Martins Coelho (foto), um dos chefes do PCC (Primeiro Comando da Capital) no Guarujá, Baixada Santista, foi morto a pauladas no sábado, 30 de dezembro, durante um assalto a uma residência no Balneário Praia Pernambuco.

Kaíque, conhecido como “Nego Zulu”, de 30 anos, invadiu o imóvel com um comparsa. Após recolher dinheiro e pertences das vítimas, a dupla tentou levar uma delas como refém. Porém, os turistas reagiram à iniciativa dos criminosos, segundo o UOL. Durante o confronto, “Nego Zulu” efetuou três disparos com um revólver calibre 38. Um deles acertou a perna de um homem de 36 anos.

Mesmo baleado, a vítima e os outros dois colegas enfrentaram o criminoso e, de acordo com informações da Polícia Civil, acertaram várias pauladas no integrante do PCC. A reportagem diz que ainda que ele continuou sendo agredido até a beira da piscina, onde caiu, bateu a cabeça no registro de água e morreu.

O comparsa de “Nego Zulu” fugiu, mas já foi identificado e está procurado pela polícia.

O caso foi registrado como roubo, extorsão e tentativa de homicídio. A Polícia Civil e o Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) avaliaram que as vítimas agiram em legítima defesa.

De acordo com o delegado Wagner Camargo, “Nego Zulu” costumava agir com violência e crueldade, mesmo quando não havia reação por parte das vítimas.

Em setembro de 2014, o ele foi acusado de matar a tiros e enterrar em uma vala o investigador da Polícia Civil Marcello Lepiscopo, de 38 anos. O crime aconteceu na Vila Baiana, no Guarujá. “Nego Zulu” foi preso, mas acabou solto.

Foi no mesmo bairro da Vila Baiana que ele e outros comparsas desfilaram com revólveres, pistolas e um fuzil, o que foi visto como um gesto para provocar autoridades. Os criminosos ainda filmaram a ação em vídeo, o que gerou repercussão na imprensa e nas redes sociais. “Nego Zulu” também costumava postar fotos nas redes sociais armado com fuzil.

Por Redação Correio

TAGS: PCC, chefe, morto

Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Permitir