Passo Fundo/RS: Chuva
Carazinho/RS: Chuvas esparsas
Passo Fundo/RS: Chuva
Carazinho/RS: Chuvas esparsas

Notícias

Agência espacial dos Estados Unidos também confirmou hoje que 2023 foi o ano mais quente já registrado na história

12 de janeiro de 2024

NASA: Ser Humano aquece Planeta e El Niño dança em nossas cabeças

A NASA anunciou nesta sexta que 2023 foi o ano mais quente já registrado, de acordo com uma análise das temperaturas médias globais anuais pelo Goddard Institute for Space Studies. Cientistas responsáveis pelo registro de temperatura, que remonta a 1880, calculam uma anomalia na temperatura global a cada ano para determinar o quanto as temperaturas mudaram em comparação com as temperaturas de 1951 a 1980.

Cada mês de junho a dezembro de 2023 foi o mais quente já registrado. Julho foi classificado como o mês mais quente já observado. Mas o que causou o calor em 2023, especialmente na segunda metade do ano? Os cientistas se fizeram a mesma pergunta. Aqui está uma análise dos principais fatores que os cientistas da NASA consideraram para explicar o calor recorde. O aumento a longo prazo nos gases de efeito estufa é o principal impulsionador.

Há mais de 100 anos, os seres humanos vêm queimando combustíveis fósseis, como carvão, gás e petróleo, para alimentar desde lâmpadas e carros até fábricas e cidades. Essas ações, juntamente com mudanças no uso da terra, levaram a um aumento nos gases de efeito estufa na atmosfera.

Esses gases agem como um cobertor, prendendo o calor ao redor do planeta. Quanto mais deles você adiciona, mais espesso esse cobertor se torna, aquecendo ainda mais a Terra. Em maio de 2023, as concentrações de dióxido de carbono na atmosfera atingiram o pico de 424 partes por milhão no Observatório Mauna Loa da NOAA, no Havaí. O pico anual tem aumentado constantemente desde as medições iniciadas em 1958.

Estendendo o registro ainda mais com núcleos de gelo, as concentrações de dióxido de carbono são as mais altas em pelo menos 800.000 anos.

— Vamos continuar quebrando recordes porque a temperatura base está sempre subindo —, disse Gavin Schmidt, diretor do Goddard Institute for Space Studies da NASA, na cidade de Nova York.

— A causa dessa tendência de aquecimento nos últimos 50 a 60 anos é dominada por nossas mudanças nos gases de efeito estufa, principalmente dióxido de carbono e metano.

O retorno do El Niño contribuiu para o calor. Além da tendência de aquecimento global a longo prazo, há variações naturais no clima. Uma das maiores fontes dessa variabilidade ano a ano é a Oscilação Sul do El Niño (ENSO), que ocorre no Pacífico tropical.

Durante o El Niño, os ventos alísios enfraquecem; ou seja, os ventos que normalmente sopram de Leste para Oeste no Pacífico tropical enfraquecem. A superfície do mar ao redor do equador no Pacífico central e oriental, perto da América do Sul, também fica mais quente (e mais alta) do que o normal. O El Niño muitas vezes coincide com os anos mais quentes na média global.

Durante eventos de La Niña, o oposto acontece: os ventos alísios se fortalecem e as temperaturas da superfície do mar no Pacífico Leste são mais frias do que o normal. Isso pode ajudar a compensar algumas das temperaturas em elevação devido ao aquecimento global a longo prazo. De 2020 a 2022, o Pacífico viu três anos de condições La Niña. Em seguida, o El Niño retornou a partir de junho de 2023.

Este El Niño ainda não foi tão forte quanto os de 2015–2016 ou 1997–1998, ambos causadores de grandes picos de temperatura média global. No entanto, ao adicionar esse aquecimento oceânico à tendência de aquecimento a longo prazo causada pelos gases de efeito estufa, o início do El Niño ajudou as temperaturas a subirem o suficiente para estabelecer um novo recorde de calor.

— Na maior parte, somos nós e o El Niño —, disse Josh Willis, um cientista climático do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA.

— No final do dia, os seres humanos estão aquecendo o planeta, e o El Niño está dançando sobre nossas cabeças.

Globalmente, o aquecimento oceânico a longo prazo e temperaturas da superfície do mar mais quentes do que o normal teve papel importante. O Pacífico tropical não foi a única parte do oceano que estava mais quente do que o normal. A temperatura global da superfície do mar estabeleceu novos recordes em 2023, com o Atlântico Norte e outras partes do oceano experimentando várias ondas de calor marinho.

—Assim como as temperaturas globais, as temperaturas oceânicas estão em ascensão —, disse Willis.

— Elas têm aumentado nos últimos cem anos ou mais, e não estão desacelerando. Se algo, estão se acelerando.

O que está por trás do aumento das temperaturas oceânicas? Os gases de efeito estufa aquecendo o planeta. Cerca de 90 por cento do calor retido pelo aumento dos gases de efeito estufa é absorvido pelo oceano. Isso significa que, à medida que os gases de efeito estufa continuam a aumentar, as temperaturas oceânicas também aumentarão, elevando as temperaturas em todo o mundo.

A quantidade de aerossóis está diminuindo, então eles não estão mais retardando o aumento das temperaturas. Outra tendência global que os cientistas estão monitorando é uma mudança nos aerossóis na atmosfera. Aerossóis são pequenas partículas no ar, como fumaça, poeira, gases vulcânicos, spray marinho, poluição do ar ou fuligem, que podem impactar o clima.

Partículas em suspensão podem refletir a luz solar, causando um ligeiro resfriamento do ar, ou absorver a luz solar, causando um ligeiro aquecimento. À medida que os governos promulgaram regulamentações para reduzir a poluição do ar e melhorar a qualidade do ar, a abundância de aerossóis diminuiu na maioria das áreas.

Muitas dessas partículas produzidas pelo homem são do tipo que resfria ligeiramente o clima, então, com menos delas no ar, o resultado é um leve efeito de aquecimento. Mas essa contribuição é bastante pequena em comparação com o aquecimento muito maior causado pelo aumento dos gases de efeito estufa.

Cientistas da NASA e de todo o mundo estão investigando como uma redução nos aerossóis devido a novas regulamentações de navegação pode potencialmente alterar a quantidade de energia solar refletida de volta ao espaço. Embora essas mudanças possam ser notáveis em escalas regionais, o impacto global provavelmente é pequeno, disse Schmidt.

Os cientistas descobriram que a erupção vulcânica de Hunga Tonga-Hunga Ha’apai não contribuiu significativamente para o calor recorde. Em janeiro de 2022, a erupção do vulcão subaquático Hunga Tonga-Hunga Ha’apai lançou uma quantidade sem precedentes de vapor d’água e partículas finas, ou aerossóis, na estratosfera.

O vapor d’água, um gás de efeito estufa, pode produzir um efeito de aquecimento na atmosfera, então os cientistas investigaram o impacto da erupção na temperatura global. Os aerossóis de sulfato de erupções, por outro lado, às vezes levaram a alguns eventos globais de resfriamento.

Um estudo recente descobriu que os aerossóis de sulfato vulcânico refletiram parte da luz solar longe da superfície da Terra, levando a um leve resfriamento de menos de 0,1 grau no hemisfério sul após a erupção. Essencialmente, o aquecimento que ocorreu devido ao aumento do vapor d’água na estratosfera foi compensado pelo resfriamento causado pelos aerossóis de sulfato vulcânico, resultando em um leve resfriamento na atmosfera inferior.

Isso significa que a erupção provavelmente não contribuiu para o calor recorde em 2023.

— Estamos muito interessados no clima e nas extremidades de qualquer ano específico porque essas são as coisas que nos afetam —, disse Gavin Schmidt, da NASA.

— Mas a diferença fundamental entre esta década e as anteriores é que as temperaturas continuam subindo por causa de nossas atividades, principalmente a queima de combustíveis fósseis.

Fonte: MetSul Meteorologia

Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Permitir