Passo Fundo/RS: Tempo nublado
Carazinho/RS: Chuvas esparsas
Passo Fundo/RS: Tempo nublado
Carazinho/RS: Chuvas esparsas

Notícias

Questionada sobre o ingresso do vôlei em sua vida, Lívia compartilha que foi influenciada pela mãe, conhecida carinhosamente como Fran

19 de janeiro de 2024

Jovem Ibirubense destaca-se como promessa do vôlei com apoio incondicional da família

Lívia Giovanini Doninelli, uma jovem de Ibirubá, está ganhando destaque como uma promissora atleta de vôlei, alimentando o sonho de construir uma carreira profissional no esporte. Com o apoio crucial de sua família, ela compartilha uma trajetória marcada por paixão, determinação e os desafios que a conduziram ao reconhecimento e sucesso esportivo.

Com uma altura notável de 1,85 metros e apenas 16 anos, Lívia já se destaca no mundo do esporte, forjando seu caminho com dedicação e amor pela modalidade. A história dela começa nas arquibancadas, onde acompanhava os treinos e jogos da mãe, Francielle Giovanini. Para Lívia, o vôlei não era apenas um esporte, mas uma parte essencial da vida familiar.

Início da Trajetória:

Questionada sobre o ingresso do vôlei em sua vida, Lívia compartilha que foi influenciada pela mãe, conhecida carinhosamente como Fran, e recebeu apoio irrestrito do pai, Ricardo Petry Doninelli, e da irmã, Laís Giovanini Doninelli. A constante presença nos treinos e jogos de sua mãe despertou gradualmente seu interesse, construindo uma conexão especial com o esporte.

— Minha mãe sempre quis que eu e a minha irmã tivéssemos uma base boa no vôlei. Eu tive a oportunidade de fazer a peneira no Notre Dame em Passo Fundo e comecei os treinos no projeto. Devido à pandemia, o projeto se transformou na Escola do Vôlei, e minha irmã também pôde ingressar. Íamos uma vez por semana nos treinos. Isso durante 2 anos.

Lívia ressalta que em Ibirubá, sua trajetória nas quadras, foi junto com a equipe Nutri Vital Vôlei, onde sua mãe é atleta, e defende a camisa do time comandado por Cleonice Guedes para mais de dez anos. Lívia já jogou pela equipe ibirubense em etapas da Liga Gaúcha de Vôlei, quando tinha apenas 15 anos de idade.

Mudança para Estrela:

A decisão de buscar uma carreira mais profunda no vôlei levou Lívia a mudar-se para Estrela, onde ingressou na equipe AVATES. Essa transição desafiadora contou com o apoio incondicional de sua família. Lívia menciona a rápida adaptação a uma nova cidade, escola e rotina intensiva de treinos.

— Quando estava para ingressar no Ensino Médio, me preparei para a prova do IFRS e passei para o curso de Mecânica. Devido aos horários de aula, não conseguiria dar continuidade ao vôlei em Passo Fundo. Assim surgiu a ideia de mandar meus vídeos para a equipe do AVATES. Minha mãe entrou em contato com o projeto, e fui convidada a fazer um treino com a equipe sub-19. Após a avaliação do professor Vacho, fui convidada a ingressar na equipe. O convite foi um pouco assustador porque sempre morei com meus pais, e como não conhecia ninguém na cidade e na escola, a princípio, não quis ir, falei que não iria (...) após conversar melhor com o coordenador do projeto AVATES, visto que teria maiores oportunidades tanto no vôlei quanto nos estudos, decidi que iria. Foi tudo muito rápido, em menos de 1 mês, eu estava morando, treinando e estudando em Estrela, RS. Quando cheguei em Estrela, tudo foi muito diferente da minha rotina em Ibirubá. Morávamos em seis colegas em um apartamento com um banheiro, e tínhamos que acordar às 6:15 para nos organizarmos para a aula. A van saía às 6:50. A aula tinha início às 7:20 até às 12:00hs. Almoçava em um restaurante da escola Martin Luther. Os treinos aconteciam de segunda a sexta, das 16:00hs às 19:00hs. Tínhamos treino físico e acompanhamento com psicólogo pelo menos duas vezes por semana. No tempo livre, aproveitava para estudar, lavar roupa, organizar minhas coisas.

Superando Desafios em 2024:

O ano de 2024 trouxe desafios inesperados para a equipe AVATES, resultando no encerramento das atividades em Estrela. Entretanto, essa reviravolta abriu portas para Lívia, que foi convidada para integrar equipes em Jaraguá-SC e Marechal Cândido Rondon-PR. Seu pai, Ricardo, desempenhou um papel crucial nessa transição, sendo contatado pelo professor Miro da equipe Vôlei Marechal.

— Durante o ano de 2024, o projeto AVATES veio tentando formas de apoio para não precisar encerrar suas atividades na cidade de Estrela. Devido à falta de patrocínio e apoio do poder público, isso foi inevitável. As atletas foram liberadas pelo AVATES, e com isso, veio o contato com a equipe de Jaraguá-SC e Marechal Cândido Rondon-PR. Tudo aconteceu em conversa do professor Vacho (treinador da equipe AVATES) com o professor Miro da equipe Vôlei Marechal. O professor Miro entrou em contato com meu pai, e decidi ir para Marechal. No dia 01/02/24 é a apresentação das atletas para a temporada. Só então vou conhecer a cidade, a escola e as colegas de equipe. É tudo muito novo, tenho um pouco de medo, mas ao mesmo tempo estou ansiosa para conhecer tudo. É difícil ficar longe de Ibirubá, da minha família e amigos, mas é uma rotina que eu aprendi a gostar. Não é nada fácil, mas vale muito a pena.

Futuro Promissor:

Apesar da ansiedade e do medo natural de enfrentar o desconhecido, ela expressa entusiasmo em explorar novos horizontes. A jovem atleta também revela suas expectativas para a seletiva da Seleção Gaúcha Sub-18/2024, destacando a alegria de ser indicada para essa oportunidade.

— Dia 26/02/24 vai ter a seletiva para a seleção gaúcha sub-18/2024. Foi uma alegria a indicação, porque foi um dos objetivos que tinha para 2023. Ser chamada para a seletiva da Seleção Gaúcha/2024.

Sonhos e Gratidão:

Ao falar sobre o futuro, Lívia não esconde o sonho de seguir o vôlei como profissão, almejando jogar em times profissionais e constantemente aprimorar suas habilidades. O apoio contínuo da família, a quem ela expressa gratidão, tem sido o pilar que sustenta sua jornada e alimenta a chama do seu sonho de se tornar uma atleta profissional de vôlei.

— Tenho o sonho de seguir esse esporte como profissão e jogar profissionalmente em times profissionais, sempre tentando evoluir para alcançar bons resultados e aprimorar as minhas habilidades no vôlei, e sem sombra de dúvidas o vôlei mudou a minha vida.

Neste capítulo emocionante de sua vida, Lívia Giovanini Doninelli representa não apenas uma atleta promissora, mas também uma inspiração para todos que perseguem seus sonhos com determinação e amor pelo que fazem.

Fonte: O Alto Jacuí

Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Permitir