Passo Fundo/RS: Tempo nublado
Carazinho/RS: Chuvas esparsas
Passo Fundo/RS: Tempo nublado
Carazinho/RS: Chuvas esparsas

Notícias

24 de janeiro de 2024

Treze frentes parlamentares reivindicam adiamento da Conferência Nacional da Educação

O grupo de parlamentares expressou preocupação em relação ao Documento Referência divulgado pela Presidência e pelo MEC, pelo viés político-ideológicas, sem embasamento científico.

Em manifestação, a Frente Parlamentar da Agropecuária, em conjunto com outras frentes parlamentares, solicitou o adiamento da Conferência Nacional de Educação (Conae) de 2024. O coletivo parlamentar expressou inquietações quanto ao Documento Referência da Conae, elaborado pela Presidência e pelo Ministério da Educação (MEC), criticando o que consideram um viés político-ideológico e a escassez de fundamentação científica no texto.

Segundo a nota emitida, há uma necessidade premente de debater de forma extensa, diversificada e transparente o Plano Nacional de Educação, essencial para nortear a educação no Brasil na próxima década. As frentes parlamentares apontam ainda para a presença de adjetivos depreciativos direcionados a certos segmentos populacionais no documento, além de ressaltar a falta de envolvimento da comunidade científica na sua formulação. A recomendação é que se prorrogue o atual Plano Nacional de Educação e que a realização da Conae, marcada para os dias 28, 29 e 30 de janeiro, em Brasília, seja postergada para o segundo semestre de 2024, visando garantir uma representatividade mais ampla e democrática no processo.

Por sua vez, o Ministério da Educação defende que a Conferência é uma oportunidade para aprimorar o novo Plano Nacional de Educação para o período de 2024 a 2034. O ministério enfatiza que o evento é uma plataforma para debater a avaliação, as problemáticas e as necessidades do plano vigente, tendo como foco a promoção de uma gestão educacional democrática e o enfrentamento das disparidades, assegurando o acesso a direitos educacionais.

Material didático

Paralelamente, Christian Lohbauer, vice-presidente da associação "De Olho no Material Escolar", que é um movimento criado em resposta a materiais didáticos que carecem de base científica, oferecendo uma perspectiva negativa do agronegócio e distante da realidade, também se posicionou criticamente em relação ao documento da Conae 2024.

Lohbauer destaca a falta de objetividade e de metas específicas no documento, salientando que, apesar da ênfase em temas como diversidade, equidade e inclusão, há negligência em aspectos fundamentais da educação básica, como as operações matemáticas básicas e a alfabetização eficaz.

Ele sublinha a importância da educação como alicerce para a inclusão social e o respeito à diversidade, advertindo que um documento que falha em reconhecer essa base fundamental ameaça não apenas o sistema educacional, mas o futuro do país. Também alerta para o risco de uma geração inteira ser prejudicada pelo que ele vê como uma deficiência na formação educacional primária.

Fontes:
Agro & Prosa
Associação De Olho no Material Escolar
Frente Parlamentar Agropecuária

 

Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Permitir