Passo Fundo/RS: Chuvas esparsas
Carazinho/RS: Chuvas esparsas
Passo Fundo/RS: Chuvas esparsas
Carazinho/RS: Chuvas esparsas

Notícias

"A bebida trás consigo a história da formação desta terra e, principalmente, da formação da personalidade do gaúcho", Ilvandro Barreto Imagem: Divulgação

24 de abril de 2024

Rio Grande do Sul celebra Dia do Chimarrão

"A bebida trás consigo a história da formação desta terra e, principalmente, da formação da personalidade do gaúcho", Ilvandro Barreto
Imagem: Divulgação

O Dia do Chimarrão é comemorado no RS em 24 de abril, data estabelecida conforme a Lei Estadual n°11.929, de 20 de julho de 2003 (deputado Giovani Cherini). Para o consumo do chimarrão, considerado a bebida símbolo dos gaúchos, é feita uma infusão de erva-mate dentro de uma cuia, em geral feita de porongo. Uma bomba feita de metal cumpre a função de canudo.

O chimarrão, ou mate, tem sua origem desde antes da colonização europeia na América do Sul. A bebida surge como prática comum entre os povos indígenas Guarani, Kaingang, Aimará e Quíchua, que habitavam o Sul do Brasil e outros países próximos a essa região. Nessa época, as cuias eram feitas de taquara, madeira, chifre de boi e também de porongo. A bomba utilizada era de taquara.

Ilvandro Barreto, engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar e coordenador da Câmara Setorial da Erva-Mate, comenta que o chimarrão é perpetuado entre as gerações e proporciona uma sociabilidade muito afetiva através da convivência, por exemplo, quando o chimarrão é compartilhado com amigos e familiares em uma roda de conversa. Barreto afirma que a bebida trás consigo a história da formação desta terra e, principalmente, da formação da personalidade do gaúcho. A respeito do mate, o engenheiro agrônomo acrescenta que: “quando tomado solito, proporciona momentos de reflexão” e chama isso de “a intimidade do mate de cada mateador”.

Barreto salienta a importância econômica que o chimarrão desencadeia, assim como outras bebidas feitas com a erva-mate. Segundo ele, por volta de 14 mil produtores rurais cultivam a planta no RS, que conta com mais de 200 indústrias processadoras ervateiras. A produção anual no Estado gira em torno de 320 mil toneladas. Além disso, muitas famílias são envolvidas no cultivo do porongo.

Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar
Jornalista Adriane Bertoglio Rodrigues
Estagiário Ignácio Cordeiro

TAGS: erva-mate

Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Permitir